• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Internet 'A TV não tem nada a me oferecer ', diz youtuber Felipe Neto. Confira a entrevista Um dos youtubers mais populares do Brasil realiza apresentação humorística em Pernambuco

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 13/01/2018 16:02 Atualizado em: 13/01/2018 17:58

Youtuber realiza a turnê Megafest, uma apresentação que reúne improviso com quadros típicos de seu canal. Foto: Felipe Neto/Divulgação
Youtuber realiza a turnê Megafest, uma apresentação que reúne improviso com quadros típicos de seu canal. Foto: Felipe Neto/Divulgação

Ao longo de muito tempo, o entretenimento brasileiro foi ausente de posicionamentos críticos. Quando a internet se popularizou no país, a novidade era justamente a “liberdade para criticar”. Foi nesse cenário, em 2010, que nasceu no YouTube o canal Não faz sentido. O idealizador era Felipe Neto, um rapaz de óculos escuros que tecia comentários ácidos sobre diversos temas. Termos como "youtuber" e "influenciador digital" sequer existiam quando o carioca descobriu sua capacidade para ganhar fortunas na plataforma, tornando-se uma celebridade “alternativa” aos meios de comunicação de massa tradicionais.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Quase uma década se passou, Neto diversificou seu conteúdo, investiu em empreendimentos e segue sendo um maiores nomes da internet brasileira, com 17 milhões de inscritos e 2 bilhões de visualizações. Atualmente, ele realiza a turnê Megafest, uma apresentação que reúne improviso com quadros típicos de seu canal, reinterpretados ao vivo com interação do público. O espetáculo aporta em Pernambuco neste domingo, às 16h - com uma sessão extra às 19h -, no Teatro Guararapes (Avenida Professor Andrade Bezerra, s/n, Olinda). Os ingressos estão sendo vendidos por R$ 94 (balcão) e R$ 124 (plateia).

O Felipe que aparecerá no palco, no entanto, pouco lembra o personagem carrancudo que o tornou popular. O cenário da internet mudou. De cabelo laranja - ele muda a cor cada vez que ganha um milhão de inscritos -, Neto investe em conteúdo de humor e entretenimento. “Não consigo ficar longe dos palcos, é algo que eu amo. Quando o canal passou a ter conteúdo mais leve e divertido, pensei numa estrutura de peça que mudasse a cada apresentação e agradasse principalmente o público infantojuvenil. Cada vez é única e diferente, pois muita coisa é improvisada”, explica.

Criado no subúrbio da Zona Norte do Rio, Neto hoje capitaneia seu canal em uma mansão na Barra da Tijuca. É lá que ele também grava o Irmãos Neto, projeto co-estrelado pelo irmão Luccas Neto, 25. Para além do audiovisual e do teatro, o carioca aposta em seu próprio aplicativo para celulares. O dispositivo Felipe Neto Oficial é uma espécie de conteúdo estendido da plataforma de vídeo, com contato direto com seus fãs, domínio total de publicidade e livre dos algoritmos da multinacional norte-americana.

Entrevista - Felipe Neto // Youtuber

Por que resolveu abandonar o "Felipe Neto agressivo" que o tornou famoso?

Porque sentia a necessidade de mostrar que era capaz de fazer muito mais do que apenas interpretar um cara reclamão. Eu queria fazer rir mais do que indignar.

Você se considera um produtor de conteúdo voltado para crianças?

Muitas crianças me assistem, mas meu público mais presente continua sendo o adolescente. Tenho uma quantidade enorme de pais que me assistem, também, então é um público variado. Hoje são 220 milhões de visualizações por mês, então é difícil definir um único público.

Você lançou seu próprio aplicativo. Por que apostar fora do YouTube quando se é um dos gigantes da plataforma?
Eu não posso depender apenas de uma plataforma. O meu aplicativo é a segurança de ter uma plataforma só minha e com comunicação direta com meus fãs, sem depender de ninguém. Isso é fundamental para qualquer influenciador.

Acha que o YouTube precisa da concorrência de outra plataforma?

Sem dúvida. Concorrência é o maior impulsionador da inovação. Quando você não tem ninguém te ameaçando, não sente o impulso necessário para melhorar ainda mais.

Pensa em trabalhar na TV?
Eu fiz três temporadas de série própria no Multishow e tive um quadro de humor na Globo por dez meses. Foram experiências incríveis, mas hoje a TV não tem nada a me oferecer que justifique eu trabalhar lá. Quem sabe um dia apareça um projeto incrível e eu decida voltar?

Você passou um tempo sem publicar vídeos. Ao voltar, teve medo do fracasso?
Quanto mais medo eu tenho de fracassar, maior eu sei que é o desafio e mais vontade eu sinto de vencê-lo. Senti pânico de fracassar.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.