• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Arte Projeto mapeia murais e vitrais públicos do Recife em site Nova etapa do Recife Arte Pública cataloga vitrais coloridos

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 20/12/2017 18:50 Atualizado em: 20/12/2017 21:35

Mapeamento de obras será lançado na Villa Digital. Foto: Hassan Santos/Divulgação
Mapeamento de obras será lançado na Villa Digital. Foto: Hassan Santos/Divulgação

Caminhar pelo Recife é como visitar uma exposição ao ar livre graças a um acervo composto por monumentos, esculturas e murais assinados por artistas do Brasil e do mundo. Fazer com que os cidadãos conheçam mais dessa arte que domina as ruas da cidade é o objetivo do projeto Recife arte pública, que disponibilizou um mapeamento das esculturas e murais públicos através do site, em 2015. Mais uma etapa do projeto será concluída nesta quarta-feira (20), com o lançamento da catalogação dos vitrais que colorem as vidraças da capital pernambucana. A apresentação, gratuita, será realizada na Villa Digital da Fundação Joaquim Nabuco (Rua Dois Irmãos, 92, Apipucos) até as 18h. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

O evento também servirá para apresentação do acervo histórico-documental da Fundaj em meios digitais e distribuição gratuita de mapas com localização das obras registradas pelo projeto. Os vitrais da cidade compreendem o período da década de 1930 até o fim do século 20. Alguns podem ser encontrados em locais como Palácio da Justiça, Cinema São Luiz e no altar da Igreja Nossa Senhora de Fátima de Boa Viagem - assinado por Marianne Peretti, francesa radicada em Olinda e uma das referências entre vitralistas do país.

A arquiteta Lucia Padilha, que idealizou o Recife Arte Pública, acredita que o mapeamento pode gerar um novo olhar sobre a cidade. “A ideia é provocar reflexões sobre o espaço urbano, o contexto histórico em que as obras foram criadas e quem são aqueles personagens retratados. Queremos ir além do Centro, estimulando as pessoas a fazer percursos em seus próprios bairros”, diz. O projeto procura encorajar o uso da arte pública no processo educativo: “Estamos preparando um material para distribuir para professores discutirem em disciplinas como história e literatura, pois temos um circuito muito bonito na cidade, composto por esculturas de poetas e escritores”.

Caminhar pelo Recife é como visitar uma exposição ao ar livre graças a um acervo composto por monumentos, esculturas e murais assinados por artistas do Brasil e do mundo. Fazer com que os cidadãos conheçam mais dessa arte que domina as ruas da cidade é o objetivo do projeto Recife arte pública, que disponibilizou um mapeamento das esculturas e murais públicos através do site www.recifeartepublica.com.br, em 2015. Mais uma etapa do projeto será concluída hoje, com o lançamento da catalogação dos vitrais que colorem as vidraças da capital pernambucana. A apresentação, gratuita, será realizada na Villa Digital da Fundação Joaquim Nabuco (Rua Dois Irmãos, 92, Apipucos), das 16h às 18h.

O evento também servirá para apresentação do acervo histórico-documental da Fundaj em meios digitais e distribuição gratuita de mapas com localização das obras registradas pelo projeto. Os vitrais da cidade compreendem o período da década de 1930 até o fim do século 20. Alguns podem ser encontrados em locais como Palácio da Justiça, Cinema São Luiz e no altar da Igreja Nossa Senhora de Fátima de Boa Viagem - assinado por Marianne Peretti, francesa radicada em Olinda e uma das referências entre vitralistas do país.

A arquiteta Lucia Padilha, que idealizou o Recife Arte Pública, acredita que o mapeamento pode gerar um novo olhar sobre a cidade. “A ideia é provocar reflexões sobre o espaço urbano, o contexto histórico em que as obras foram criadas e quem são aqueles personagens retratados. Queremos ir além do Centro, estimulando as pessoas a fazer percursos em seus próprios bairros”, diz. O projeto procura encorajar o uso da arte pública no processo educativo: “Estamos preparando um material para distribuir para professores discutirem em disciplinas como história e literatura, pois temos um circuito muito bonito na cidade, composto por esculturas de poetas e escritores”.

Natal
Dois eventos embalam as comemorações natalinas no Recife. Na Caixa Cultural (Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife), às 19h30, a cantata Natal da Orquestra Criança Cidadã apresenta o espetáculo Celebrando Jesus, releitura do nascimento de Cristo a partir de incursões pelo folclore brasileiro. São oito cenas sobre o Messias do cristianismo. Na Casa Astral (Rua Joaquim Xavier de Andrade, 104, Poço da Panela), os artistas Rafa da Rabeca e Maria Rosa se unem em canções sobre o ciclo natalino, do reisado e do cavalo marinho aos pastoris. Às 18h, com entrada por R$ 20.
Dois eventos embalam as comemorações natalinas no Recife. Na Caixa Cultural (Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife), às 19h30, a cantata Natal da Orquestra Criança Cidadã apresenta o espetáculo Celebrando Jesus, releitura do nascimento de Cristo a partir de incursões pelo folclore brasileiro. São oito cenas sobre o Messias do cristianismo. Na Casa Astral (Rua Joaquim Xavier de Andrade, 104, Poço da Panela), os artistas Rafa da Rabeca e Maria Rosa se unem em canções sobre o ciclo natalino, do reisado e do cavalo marinho aos pastoris. Às 18h, com entrada por R$ 20. 

Acompanhe o Viver no Facebook: 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.