• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Documentário sobre procurador que denunciou escândalo da mandioca é exibido de graça Pedro Jorge tinha 35 anos quando foi morto, em 1982, por um pistoleiro contratado por um dos envolvidos no esquema de corrupção

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/12/2017 10:07 Atualizado em: 06/12/2017 10:18

Ele era casado com Maria das Graças Viegas e tinha duas filhas ainda crianças, Roberta e Marisa. Foto: YouTube/Reprodução
Ele era casado com Maria das Graças Viegas e tinha duas filhas ainda crianças, Roberta e Marisa. Foto: YouTube/Reprodução

O documentário Pedro Jorge: Uma vida pela justiça, sobre o assassinato do procurador da República Pedro Jorge de Melo e Silva, em 1982, será exibido gratuitamente na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) nesta quarta-feira (6). A sessão é promovida pelo Instituto Futuro e ocorrerá no auditório do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG), às 16h30. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

O filme, lançado em março deste ano no Cinema São Luiz, foi produzido pelo Ministério Público Federal na 5ª Região em parceria com a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e se aprofunda no caso da morte de Pedro Jorge, há 35 anos, designado a investigar o notório escândalo da mandioca, esquema que desviou Cr$ 1,5 bilhão do governo federal, por meio do Banco do Brasil à época. 

Familiares e conhecidos de Pedro, além dos ex-procuradores-gerais da República Rodrigo Janot, Geraldo Brindeiro e Aristides Junqueira e o arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, foram entrevistados para o resgate histórico do material. O investigador estava sendo ameaçado por envolvidos no esquema de corrupçãoe a acabou sendo assassinado no dia 3 de março de 1982, à tiros, depois de sair de uma padaria em Olinda. Ele tinha 35 anos. 

O pistoleiro Elias Nunes Nogueira, a mando do major José Ferreira dos Anjos, foi o responsável pela morte, realizada com três tiros a queima-roupa. Natural de Maceió, em Alagoas, o filho de José Florentino da Silva e Heloísa de Melo e Silva tinha uma esposa, Maria das Graças Viegas, e duas filhas ainda crianças, Roberta e Marisa. 
 
Assista ao teaser do documentário:

 

Acompanhe o Viver no Facebook: 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.