• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Televisão 'Não quero fazer novela bíblica, nem pornografia na Globo', diz Pedro Cardoso Ator não deve ser visto em novos trabalhos na emissora, na qual trabalhou por mais de 30 anos

Por: Estado de Minas

Publicado em: 28/11/2017 11:01 Atualizado em: 28/11/2017 12:41


O ator Pedro Cardoso declarou, em entrevista ao jornal Destak nesta terça-feira, 28, que não pretende voltar a trabalhar em televisão e ainda criticou as produções atuais. Longe das telinhas desde o fim de A grande família, em 2014, ele se tornou persona non grata na TV Globo, após deferir uma série de críticas à emissora em entrevistas. "Eu espero nunca mais voltar à TV. Não quero. Para participar do que está aí, não quero. Quero fazer o que eu quero fazer, e o que eu quero fazer o empresário não quer que eu faça. Não quero fazer novela bíblica, nem pornografia na Globo ou games com o Silvio Santos", criticou. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

"Também não quero trabalhar para canais americanos. Fox, Netflix, eles não querem nada com o Brasil. Só querem vender o produto que eles já têm pronto. Eles investem dinheiro aqui porque são obrigados, e tendem a fazer coisas medíocres", finalizou. Pedro Cardoso passou 30 anos de sua carreira na TV Globo, como roteirista e ator e ganhou projeção nacional depois de atuar como Agostinho Carrara na série A grande família (2001-2014).

Após o fim da produção, ele foi dispensado. Desde então, ele diz se sentir injustiçado e até chamou a emissora de "acovardada e conservadora".  Agora autor, ele acaba de lançar o romance O livro dos títulos. Nas últimas semanas, ele deu o que falar após abandonar um programa ao vivo na rede EBC em protesto contra o presidente do canal, Laerte Rimoli, e em solidariedade aos funcionários da emissora, que estavam em greve. 

Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.