• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Televisão Ator de Glee teria tentado se matar antes da prisão, diz TMZ Mark Salling, que viveu Puck na série, foi condenado de 4 a 7 anos de detenção por posse de pornografia infantil

Por: Estado de Minas

Publicado em: 17/10/2017 19:25 Atualizado em:

Mark Salling teria cortado os pulsos e sido socorrido por um colega de quarto. Foto: Fox/Divulgação
Mark Salling teria cortado os pulsos e sido socorrido por um colega de quarto. Foto: Fox/Divulgação

Nesta segunda-feira (16), o site de notícias TMZ publicou detalhes sobre a condenação de Mark Salling, de 35 anos, que viveu Puck na série Glee, por posse de pornografia infantil. Após se declarar culpado, ele foi condenado de 4 a 7 anos de detenção. Segundo a publicação, ele teria cortado os pulsos e sido socorrido por um colega de quarto. O caso aconteceu um mês e meio antes da sua confissão.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Foram chamadas ambulâncias para casa de Mark, em Los Angeles, e após os paramédicos o levaram para um hospital local, ele teria sido transferido para uma clínica de reabilitação, em que foi submetido para uma avaliação psicológica. O TMZ ainda observou que os braços do ator estão marcados pela suposta tentativa e suicídio e, por isso, foi visto apenas com roupas longas durante o verão.

No entanto, o advogado de Mark Salling, Michael J. Proctor, negou as declarações. "A história do TMZ é falsa, simples. Mark é fisicamente saudável e ele está focado no processo, aceitando a responsabilidade e aprendendo com seus erros do passado", disse em comunicado. Mark fez um acordo com a justiça e se declarou como agressor sexual e aceitou não ter nenhuma comunicação com pessoas com menos de 18 anos, sem a presença dos pais ou responsáveis. Após isso, o ator ainda passará 20 anos sob supervisão e deverá manter uma distância mínima de 100 metros de pátios escolares, parques, piscinas públicas e playgrounds. Ele ainda foi obrigado a pagar US$ 50 mil em restituição a cada vítima.

Acompanhe o Viver no Facebook:


 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.