• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Censura Museu do Louvre recusa obra artística por apresentar 'conotação sexual' Intitulada Domestikator, escultura de 12 metros representa a dominação do homem sobre a natureza por meio das formas de um homem e um cachorro

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/10/2017 12:00 Atualizado em: 11/10/2017 12:02

"A arte deveria ser um local em que há poucos limites", disse criador da obra. Foto: Heike Kandalowski/Divulgação
"A arte deveria ser um local em que há poucos limites", disse criador da obra. Foto: Heike Kandalowski/Divulgação

Uma instalação de arte foi vetada de uma exposição em Paris, na França, por ter "conotação sexual". A obra Domestikator, do artista Joep van Lieshout, é uma escultura de 12 metros de altura que representa a dominação humana sobre a natureza por meio das formas de um homem e um cachorro e deveria ser montada no Jardim das Tulheiras no dia 16 de outubro para integrar a edição 2017 da Feira Internacional de Arte Contemporânea (Fiac) da cidade francesa, mas ficou de fora por decisão do Museu do Louvre dias antes. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

De acordo com o jornal francês Le monde, um comunicado usado para justificar a recusa emitido pela diretoria do museu admitiria o receio em expor a obra. "Infelizmente, dentre as obras selecionadas, devemos recusar a proposta do Atelier Van Lieshout, Domestikator. Apesar de expor de forma lúdica e artística a dominação do homem sobre o planeta terra, é impossível ignorar a conotação sexual da instalação", diz o texto, acrescentando que o espaço é visitado por muitas famílias e que, na internet, "circulam informações que atribuem essa obra a uma visão brutal que pode ser mal interpretada pelo tradicional público". 

Ao site Dezeen, Joep van Lieshout afirmou acreditar que o veto se tratava de censura. "Com um ponto de vista restrito, eles pensaram que era explícito ou sexual e cancelaram. Eu acho que foi um acontecimento triste porque arte deveria ser um local em que há poucos limites. Essa obra não é sobre sexo, é sobre a ética nas inovações tecnológicas. Não é explícita nem escandalosa, mas nos convida a pensar sobre um assunto muito importante: o que fazemos com o nosso avanço tecnológico? Com todos os dados, a inteligência artificial, com os robôs", disse ele. 

Acompanhe o Viver no Facebook: 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.