• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Arte Caetano Veloso recorda ditadura e critica censura à arte 'Algumas pessoas podem estar enganadas, pensando que estão defendendo os bons costumes e a segurança da família', disse ele

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/10/2017 09:32 Atualizado em: 09/10/2017 14:13

Caetano concedeu entrevista coletiva em visita à exposição. Foto: Instagram/Reprodução
Caetano concedeu entrevista coletiva em visita à exposição. Foto: Instagram/Reprodução

[FOTO2]O músico Caetano Veloso se apresentou neste final de semana em Belo Horizonte, Minas Gerais, e aproveitou a passagem pela capital mineira para visitar a exposição Faça você mesmo sua Capela Sistina, do artista mineiro Pedro Moraleida - que se suicidou em 1999, aos 22 anos. No mesmo dia em que o músico (junto de outros artistas) lançou a campanha 342 Artes, contra o cancelamento da exposição Queermuseu, em Porto Alegre, e a polêmica envolvendo a performance La bête, em São Paulo, ele criticou a censura direcionada a trabalhos artísticos. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

"Tem alguns políticos querendo enganar o povo. Querendo chamar atenção. Em nenhuma dessas exposições que estão sendo discutidas não há nada que não seja tradição das artes, sobretudo das artes mais recentes", afirmou Caetano durante a visita. Instalada no Palácio das Artes, a mostra foi alvo de protesto de um grupo de evangélicos na última quinta-feira (5). Alguns manifestantes tentaram invadir a Grande Galeria Alberto da Veiga Guinard, onde as obras de Moraleida estão expostas. O grupo considerou as pinturas da exposição como "incentivos à pedofilia, zoofilia e cristofobia". 

Caetano relembrou o período da ditadura militar no Brasil para defender a liberdade de expressão. "Algumas pessoas podem estar enganadas, pensando que estão defendendo os bons costumes e a segurança da família, mas na verdade isso é um esboço de opressão. Se as pessoas aderirem a isso, a gente uma ameaça de situação opressiva e as pessoas vão ficar limitadas. Eu vivi o período da ditadura e não quero nada parecido com isso", disse ele em entrevista coletiva cujo vídeo foi compartilhado por ele no Instagram. 

Assista:


Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.