• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
TV Protesto por eleições diretas marca o fim de Os Dias Eram Assim Capítulo derradeiro terá menção às passeatas por Diretas Já

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/09/2017 18:40 Atualizado em:

A trama tratou de histórias de vida marcadas pelos anos de chumbo no país durante a ditadura militar. Foto: Cesar Alves/Divulgação
A trama tratou de histórias de vida marcadas pelos anos de chumbo no país durante a ditadura militar. Foto: Cesar Alves/Divulgação

A novela Os dias eram assim - batizada de supersérie pela Globo - deve ser encerrada com lembrança da época da luta por eleições gerais para presidente. A trama exibida às 23h tratou de histórias de vida marcadas pelos anos de chumbo no país durante a ditadura militar. No episódio final, nesta segunda-feira (18) haverá uma passagem de tempo até os dias atuais, e a protagonista Alice (Sophie Charlotte) recordará como conheceu Renato (Renato Góes), em uma manifestação.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A menção à mobilização de rua tem sido associada aos protestos atuais contra Temer e por Diretas Já. A recordação da personagem é vista como tentativa de corrigir percalços de abordagem cometida pela supersérie sobre acontecimentos políticos da ficção. A novela omitiu o erro histórico da emissora em ignorar a comício pelas Diretas ocorridas no estertor do regime militar - ao mostrá-lo como festa de aniversário de São Paulo - e passou a impressão de cobertura isenta do Jornal nacional.

O equívoco se tornou mais grave porque a Globo, em 2015, admitiu ter errado. Com oscilações na audiência, Os dias apresentou altos e baixos. A história indecisa do casal de protagonistas ofuscou o peso das crueldades da ditadura. A presença de personagens maniqueístas, os erros na reconstituição de época - como apresentar música da Chico Science & Nação Zumbi sequer lançada - reduziram o potencial da novela. Houve momentos positivos, como a reflexão gerada pelo início da epidemia de Aids.

No fim, recorreu-se a um artifício duvidoso de atribuir a culpa de um crime a um personagem cuja estreia só ocorreu depois. Olhar pelo retrovisor para entender a evolução do Brasil é estratégia interessante. Mas a condução poderia ser mais crítica e menos emocional. A partir de amanhã, o tema é explorado sob outra perspectiva: Filhos da pátria vai à independência par tratar de corrupção.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.