• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Teatro Pernambucana Isadora Melo canta o amor em espetáculo do premiado João Falcão Dorinha, Meu Amor foi construído a partir de financiamento coletivo e receberá convidados a cada apresentação

Por: Isabelle Barros

Publicado em: 07/09/2017 17:46 Atualizado em: 07/09/2017 17:20

Conterrâneos João Falcão e Isadora Melo começaram a desenvolver o projeto a distância. Foto: Flora Negri/Divulgação
Conterrâneos João Falcão e Isadora Melo começaram a desenvolver o projeto a distância. Foto: Flora Negri/Divulgação

O encontro entre o dramaturgo e diretor teatral João Falcão e a cantora e atriz Isadora Melo se tornou uma parceria capaz de trazê-lo artisticamente de volta ao Recife depois de quase duas décadas. Após ter seu sucesso mais do que provado no teatro e na televisão, Falcão aposta no intimismo e no afeto para o retorno com o espetáculo Dorinha, meu amor, cuja estreia está marcada para esta quinta-feira, às 20h, no Teatro Arraial. A montagem tem temporada que se estende por quase dois meses - algo raro na cidade -, às quintas-feiras.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Isadora, de 27 anos, já havia trabalhado com Falcão em Gabriela: Um musical, adaptação teatral do clássico de Jorge Amado criada em 2016. Desta vez, ela terá o palco para si e dois músicos a acompanham: Juliano Holanda, na guitarra, e Rafael Marques, no bandolim. Sua voz vai falar do amor em suas mais diversas manifestações, a partir de clássicos da música popular brasileira entremeados por uma dramaturgia criada especialmente para o espetáculo. Juliano Holanda, nome requisitado da música pernambucana atualmente, também fez uma composição própria para o repertório. Em cada uma das oito apresentações, haverá um convidado, entre Jr. Black, Ylana Queiroga, Isaar, Flaira Ferro, Thiago Martins, Almério, Zé Manoel e Rafael Cavalcanti.

O investimento em músicas brasileiras como espinha dorsal de seus musicais é algo buscado pelo diretor, que promete tocar a memória afetiva de muita gente com canções de nomes como Roberto Carlos, Lupicínio Rodrigues, Gilberto Gil e Marina Lima. "Pesquiso canções brasileiras já há algum tempo. Nossa música é a melhor do mundo, os cantores daqui são os melhores. Temos músicas para todo tipo de situação, todo tipo de personagem. Fizemos uma certa investigação sobre o amor por meio dessas canções, mas com humor e um certo distanciamento. Além disso, escolhi trabalhar com Isadora por ser uma artista delicada e, ao mesmo tempo, múltipla. Ela é uma cantora especial, tem uma voz privilegiada e sabe usá-la muito bem", detalha João.

A vontade de João Falcão em voltar ao estado natal, após 21 anos morando no Rio de Janeiro, para criar um espetáculo estrelado por uma artista local e entrar em cartaz, sem patrocínio, se uniu à curiosidade dela em explorar mais a habilidade em contar histórias, desta vez por meio do teatro. "Sou admiradora de João desde pequena. Meu primeiro contato com ele foi no teste de Ópera do malandro, que não fiz. Eu o procurei para fazer o teste de Gabriela, passei. Começamos a conviver mais, ele me viu cantando um brega despretensiosamente, gostou e me convidou para essa montagem. Atuar, com texto e personagem, é algo bem recente para mim. Minha mãe é atriz e eu sempre levei o teatro muito a sério, como uma coisa muito difícil. É uma descoberta".

A montagem foi concebida parcialmente a distância, com encontros no Rio e no Recife. Ao contrário dos últimos musicais de João Falcão, este tem uma estrutura bem enxuta, e seus criadores decidiram partir para o financiamento coletivo para conseguir mais recursos. O prazo para contribuir terminou na segunda-feira e foram arrecadados 60% da meta de R$ 50 mil. "Já estamos nos sentindo abraçados pela cidade. A campanha serviu para mostrar o interesse das pessoas, por ter engajado muita gente e ajudado a divulgar Dorinha, meu amor", afirma João.

A mobilização ocasionada pela campanha e a volta de João Falcão ao Recife, acredita Isadora, ajudam a dar fôlego a uma peça criada para falar de forma íntima com cada um da plateia. "É quase um teste fazer apresentações pequenas, em um teatro aconchegante, como se estivéssemos nos anos 1950 e nos apresentássemos em uma boate da época, como vários cantores fizeram. Ter João na cidade é uma coisa muito rica, tanto para ele quanto para o Recife", comemora ela.

SERVIÇO
Dorinha, meu amor, de João Falcão, com Isadora Melo
Quando: 7 de setembro a 26 de outubro
Onde: Teatro Arraial Ariano Suassuna (Rua da Aurora, 457, Boa Vista)
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Informações: 3184-3057

Acompanhe o Viver no Facebook:





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.