• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Manifesto 'Estão leiloando nossa Amazônia', diz Gisele contra decisão do governo Modelo e atriz usou as redes para denunciar decreto ambiental assinado por Temer nesta semana

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/08/2017 18:00 Atualizado em:

Gisele aderiu ao manifesto de ONG internacional em prol da Amazônia. Foto: AFP
Gisele aderiu ao manifesto de ONG internacional em prol da Amazônia. Foto: AFP

Após o Governo Federal publicar, nesta quarta-feira (23), um decreto que extingue a Reserva Nacional de Cobre e Associadas (Renca), uma área de 47 mil quilômetros quadrados na Amazônia, a modelo Gisele Bündchen aderiu à indignação de alguns setores da sociedade e se manifestou em repúdio à decisão do governo Temer nas redes sociais: "Vergonha! Estão leiloando nossa Amazônia! Não podemos destruir nossas áreas protegidas em prol de interesses privados".

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A assinatura do decreto foi denunciada pela World Wide Fund for Nature (WWF), uma organização não governamental internacional que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental, e compartilhada por Bündchen. Segundo o órgão, a mudança na legislação integra uma ação governamental para liberar a área, que estava proibida para mineração desde 1984, para iniciativa privada como uma das medidas previstas pelo governo Temer para estimular o desenvolvimento econômico e engordar o PIB brasileiro.

Equivalente ao tamanho do estado do Espírito Santo, a área conhecida como Renca é rica em ouro e outros minérios e engloba nove áreas protegidas: o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, as Florestas Estaduais do Paru e do Amapá, a Reserva Biológica de Maicuru, a Estação Ecológica do Jari, a Reserva Extrativista Rio Cajari, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru e as Terras Indígenas Waiãpi e Rio Paru d`Este. A ONG alega que a extinção da Renca deverá gerar uma série de conflitos entre a atividade minerária, a conservação da biodiversidade e os povos indígenas.

O decreto 9142, assinado nesta terça-feira (22) pelo presidente Michel Temer, diz que a "extinção de que trata o art. 1º não afasta a aplicação de legislação específica sobre proteção da vegetação nativa, unidades de conservação da natureza, terras indígenas e áreas em faixa de fronteira". A legislação ambiental brasileira proíbe a mineração em unidades de conservação classificadas como de proteção integral – destinadas exclusivamente à preservação dos recursos naturais. Já as unidades de uso sustentável permitem a atividade, desde que haja um Plano de Manejo que indique claramente quais as atividades permitidas.

Confira o post:



Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.