• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Entrevista Sucesso das ruas, Zé Paulino Bonequeiro já foi roubado e sonha em conhecer Silvio Santos Ventríloquo dá vida aos personagens Benedito e Ronaldinho

Por: Marina Simões - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/08/2017 19:07 Atualizado em: 16/08/2017 19:41

"Ainda quero fazer muitos shows. São os bonecos que tenho e me acompanham nessa vida. Não vou deixá-los", afirma o ventríloquo. Foto: Marlon Diego/Divulgação
"Ainda quero fazer muitos shows. São os bonecos que tenho e me acompanham nessa vida. Não vou deixá-los", afirma o ventríloquo. Foto: Marlon Diego/Divulgação


Figura conhecida nas ruas do Recife e de Olinda, Zé Paulino Bonequeiro, 76 anos, tem a habilidade de criar sons e vozes para dar vida a personagens, os bonecos Benedito e Ronaldinho, que o acompanham há quase 30 anos. O pernambucano José Paulino da Costa Filho, natural de Altinho, no Agreste Pernambucano, é ventríloquo e descobriu esse dom aos 17 anos. Somente depois de se aposentar, ele se instalou em Olinda e teve tempo para se dedicar à atividade. Paulino se apresenta em restaurantes, faz shows em festas de aniversário e já representou o estado em programas de auditório nacionais, vencendo o quadro Se vira nos trinta, no Domingão do Faustão, em 2014.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Quando veste o figurino, ele coloca um colete de fitas coloridas, o chapéu de couro, empunha um dos bonecos e, assim, está pronto para começar a brincadeira. O bonequeiro dialoga com Ronaldinho, a quem considera como um filho, e circula em estabelecimentos da beira-mar de Olinda e da Zona Norte do Recife nos finais de semana. O que consegue arrecadar é pouco, mas ele não desanima. "Ainda quero fazer muitos shows. São os bonecos que tenho e me acompanham nessa vida. Não vou deixá-los", afirma.  

O artista popular trabalhou anteriormente como motorista no Sesc, em Caruaru. "O trabalho me atrapalhava um bocado. O que eu gostava mesmo era de reunir as pessoas na praça e fazer piada, imitar uma briga de gato ou o sabiá", relembra. O primeiro boneco foi Benedito. "Comprei na feira de Caruaru. Uma vez, ele foi roubado e fiquei muito triste. Dias depois, encontrei um rapaz vendendo na calçada e o recuperei. Ele estava todo arrasado, mas consertei".

O segundo fantoche, Ronaldinho, ele diz ter ganhado de presente de Tom Cavalcanti. "Ele (Tom) não conseguiu falar com o boneco e deu para mim um dia em que visitei a Record", afirma. Paulino já se apresentou como calouro em programas de Eliana, Ratinho, Ana Hickman, Celso Portioli e Faustão. Mas o grande sonho dele é ir ao Programa Silvio Santos, um dos ícones que ele imita. No álbum de fotografias antigas, coleciona encontros com personalidades e viagens inesquecíveis, mesmo sem lembrar o ano. Paulino tem registros com Renato Aragão, Dedé Santana, Faustão, Xuxa Meneghel, Tirulipa e outros artistas.

Assista:



O artista popular relata ter dificuldade para ser reconhecido na atividade de ventríloquo e lamenta não receber apoio. Foto: Marlon Diego/Divulgação
O artista popular relata ter dificuldade para ser reconhecido na atividade de ventríloquo e lamenta não receber apoio. Foto: Marlon Diego/Divulgação
O artista popular relata ter dificuldade para ser reconhecido na atividade de ventríloquo e lamenta não receber apoio das prefeituras do Recife e de Olinda. No início da carreira, ele se decepcionou ao ser roubado por um empresário que "passou a perna" nele. "Prefiro fazer tudo sozinho. Ele (empresário) começou a me ajudar a marcar shows. Depois de uma apresentação, quando dei fé, ele pegou o dinheiro todo e foi embora. Depois disso, não quis mais conversa", afirma. O humorista mora no Nascedouro de Peixinhos com a esposa, Beatriz, de 75 anos, que sofre de diabetes e complicações de problemas cardíacos. Ela não aprova a atividade do marido. "Ela não gosta muito dos bonecos", desconversa.

Zé Paulino cobra de R$ 250 a R$ 300 por um show particular e vende um DVD com um compilado de trechos das suas apresentações. Ele tem um segredo infalível para garantir a melhor performance: o mel da abelha uruçu. "Tomo uma colher antes de sair para trabalhar e a voz funciona perfeitamente", assegura. O arsenal de bonecos e apetrechos fica guardado na mala do carro, onde também leva outros personagens, como a macaca Chita, a bonequinha que chora e o cachorro raivoso. As cenas, o bonequeiro improvisa e adapta de acordo com o público. "Já fiz aniversário de 1 ano e de 100 anos. Faço piada para criança e adulto. Para os mais novos, sempre levo uma mensagem educativa", explica. Ele ensina a escovar os dentes, pentear o cabelo, respeitar pai e mãe, entre outras situações.

A inspiração vem do dia a dia e as temáticas estão sempre ligadas ao universo sertanejo ou às novidades da cidade grande – Ronaldinho como espectador de uma vaquejada no interior ou as situações que ele viveu na primeira viagem de avião. Há dois temas "proibidos": política e futebol. "Já levei uma carreira de uma torcida organizada. Ele (Ronaldinho) torce para o Brasil e para o time que estiver ganhando", brinca.

Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.