• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Justiça 'Não vou permitir que digam que sou culpada', diz Taylor Swift em julgamento por assédio sexual Cantora norte-americana está processando radialista por ter apalpado sua bunda em uma sessão de fotos

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 11/08/2017 09:12 Atualizado em: 11/08/2017 17:57

Taylor Swift está no quarto dia de julgamento contra radialista. Foto: Jewel Awad/AFP
Taylor Swift está no quarto dia de julgamento contra radialista. Foto: Jewel Awad/AFP

"Definitivamente foi uma apalpada" na bunda, "e muito longa". A estrela do pop Taylor Swift foi categórica nesta quinta-feira (10), no quarto dia do julgamento contra o DJ David Mueller, quem acusa de tê-la assediado sexualmente. A cantora se negou a dar uma estimativa do tempo que durou o gesto, mas disse: "ele ficou com a mão agarrada na minha bunda enquanto eu tentava me afastar. Não me largava", detalhou ao júri.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A artista de 27 anos foi convocada a depor pelo advogado que representa David Mueller, quem acusa de ter apertado a bunda por debaixo da saia durante uma sessão de fotos antes de um show em Denver, nos Estados Unidos, em 2 de junho de 2013. "Foi muito chocante. Isso nunca tinha me acontecido antes", acrescentou. Mueller, que deu a sua versão dos fatos no início da semana, nega a acusação. Ela foi interrogada por aproximadamente uma hora.

O DJ compareceu ao julgamento a pedido do diretor da rádio onde trabalhava, Eddie Haskell. Durante o julgamento, admitiu ter tocado Taylor Swift enquanto posava com ela e sua namorada, Shannon Melcher, mas negou ter agarrado a sua bunda. "Achei que era a sua costela", disse ele na terça-feira (8), acrescentando que não sabia exatamente onde havia colocado a mão porque estava olhando para o fotógrafo.

Pouco depois de deixar o local das fotos, os seguranças da cantora o obrigaram a sair da sala. De acordo com Mueller, então com 51 anos, foi o seu ex-chefe, Haskell, quem teria tocado a cantora e se gabado disso. Mas Taylor Swift quis acabar com qualquer possível dúvida: "não tocou a minha mão, não tocou o meu braço, não tocou a minha costela: tocou a minha bunda". "Não vou permitir que você e o seu cliente digam que eu sou a culpada", afirmou Swift ao advogado do DJ.

Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.