• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Festival Cine Ceará: Filme argentino leva clima de novelesco para o cinema Ninguém está Olhando tem bom protagonista mas peca no desenvolvimento da história

Por: Breno Pessoa

Publicado em: 08/08/2017 23:40 Atualizado em: 08/08/2017 23:31

Guillermo Pfening equilibra bem o humor e carga dramática do personagem. Foto: Aleph Motion Pictures/Divulgação
Guillermo Pfening equilibra bem o humor e carga dramática do personagem. Foto: Aleph Motion Pictures/Divulgação

FORTALEZA - O estranhamento de um estrangeiro fora de sua terra natal é tema básico de Ninguém está olhando, longa argentino exibido dentro da mostra competitiva do 27º Cine Ceará, Festival Ibero-Americano de Cinema, realizado até a próxima sexta-feira (11). Dirigido por Julia Solomonoff, o título chega às salas brasileiras em dezembro.

No filme, Nico (Guillermo Pfening) é um ator em ascenção na Argentina que decide tentar a sorte nos Estados Unidos. Tendo como única proposta de trabalho a participação em um filme que acaba não saindo do papel, o argentino sobrevive em Nova York com alguns bicos, como babá do filho de uma amiga e garçom em um bar. 

Sem as características típicas do estereótipo da América do Sul, Nico, branco de cabelos loiros, é rejeitado para papéis de personagens latinos e sente-se também deslocado junto a outros imigrantes. Sentindo-se fracassado, ele tanta manter as aparências para os conhecidos e esnoba quem tenta ajudá-lo financeiramente.

 

A boa atuação de Pfening se sobressai ao clima predominantemente morno da narrativa, que coloca o personagem em situações difícieis, mas muito longe de se configurarem como extremas. É um personagem que se sente desconfortável por regredir profissionalmente e visivelmente preocupado em como é visto pelos outros. Aqui, cabe bem o termo white peopl's problems (problemas de gente branca, em tradução literal).

A sucessão de problemas enfrentados por Nico também soa pouco crível e parece servir apenas uma tentativa de reforçar o caráter sofrido do protagonista. O tom novelesco e excessivamente dramático dos acontecimentos remete ao aspecto novelesco das produções em que o personagem participava na Argentina, o que não chega a ser elogioso.  

*O repórter viajou a convite da organização do festival


Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.