• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Clássicos serão exibidos por R$ 2 no Cinema do Museu Com três indicações ao Oscar, Falcão Maltês é um dos filmes que será exibido pela FUNDAJ no projeto Sempre aos Domingos

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 05/08/2017 14:06 Atualizado em: 04/08/2017 23:07

Falcão maltês foi lançado em 1941. Foto: Warner/Reprodução
Falcão maltês foi lançado em 1941. Foto: Warner/Reprodução

O Cinema da Fundação/Museu, localizado na Avenida Dezessete de Agosto, irá continuar exibindo filmes clássicos com o projeto Sempre aos Domingos, que disponibiliza sessões a preço popular, apenas R$ 2, às 10h30. O longa-metragem escolhido para este domingo (6) foi Relíquia macabra (ou o Falcão maltês, na versão lançada em DVD), filme noir de 1941. Escrito e dirigido por John Huston, a produção teve três indicações ao Oscar em 1942 nas categorias Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Sydney Greenstreet) e Melhor Roteiro Adaptado.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Ambientado em São Francisco, na Califórnia, a história acompanha Sam Spade (Humphrey Bogart), um detetive procurado particular contratado por Brigid O'Shaughnessy (Mary Astor), uma mulher misteriosa que alega estar sofrendo constantes ameaças. O caso, que inicialmente parecia simples, toma uma proporção gigantesca após diversos acontecimentos estranhos, como todo bom filme noir. O perseguidor da moça, tanto quando seu segurança particular, aparecem mortos e tudo parece girar em torno de uma estatueta de falcão encrustado com joias.

No mês de julho, o Sempre aos Domingos exibiu filmes como Sempre aos domingos, clássico francês de 1962, O estranho que nós amamos, de 1971 e Dumbo, animação da Disney lançada em 1941. Nas últimas semanas das férias escolares, a FUNDAJ também colocou em cartaz os longas A felicidade não se compra, de 1946 e musical francês Os guarda-chuvas do amor. Com o projeto, a instituição pretende resgatar os tempos de cinema de rua no Recife, quando as salas ofereciam sessões de filmes de arte para um público mais amplo e por um preço acessível. 

Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.