• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cultura afro Balé Afro conta história de resistência das aldeias africanas A obra ganha mais uma temporada em parceria com o projeto Quarta da Dança, durante o mês de julho, às 20h, no Teatro Arraial Ariano Suassuna

Por: Samuel Calado

Por: Samuel Calado

Publicado em: 15/07/2017 12:03 Atualizado em: 15/07/2017 20:47

Foto: Arthur Mota/Divulgação
Foto: Arthur Mota/Divulgação

O espetáculo Os Guerreiros, do Balé Afro Raízes, conta a história de resistência dos povos africanos na luta pela sobrevivência e conquista de territórios.  A obra ganha mais uma temporada em parceria com o projeto Quarta da Dança, durante o mês de julho, às 20h, no Teatro Arraial Ariano Suassuna. 

No espetáculo, é possível identificar a preocupação com a proximidade  da  estética africana. Desde os elementos utilizados nos movimentos, como os facões para homenagear o orixá Ogum (guerra e do ferro), até as pinturas corporais com as cores da natureza para retratar a beleza do orixá Oxum (águas doces e da fertilidade).  

Foto: Arthur Mota/Divulgação
Foto: Arthur Mota/Divulgação
Paulo Queiroz, coreógrafo do espetáculo e diretor do grupo, conta que a peça é o resultado de pesquisas bibliográficas realizadas pela equipe sobre a história das civilizações africanas. O bailarino destaca que a dança é a melhor forma de contar a história da África, já que ela está presente em todos os acontecimentos do cotidiano. "Ela expressa o nascimento, a morte, a guerra e as festas para agradecer aos deuses por uma colheita farta”. 

Foto: Arthur Mota/Divulgação
Foto: Arthur Mota/Divulgação
Em cena, cerca de 10 bailarinos revezam-se entre as coreografias musicadas por percussionistas que tocam e cantam cantigas populares. “Nós entoamos gritos para expressar a súplica de um povo sofrido que tem sua história marcada por vários conflitos. Nossos movimentos se baseiam na história dos orixás Ogum, Xangô e Iansã, divindades atribuídas a guerra, a justiça e ao fogo”, explica Paulo.


História 
O Balé Afro Raízes foi fundado no dia 13 de setembro de 2006. Durante esse período, já apresentou diversos espetáculos, entre eles, as peças Dançando com a força e a sensualidade dos Orixás, Senzala e Os Guerreiros, encenadas em vários teatros e festivais, como o Janeiro de Grandes Espetáculos (em 2008), a 7ª Mostra Brasileira de dança (2009) e o 25º Festival de Inverno de Garanhuns (2015).


Este ano, o grupo recebeu um prêmio de reconhecimento trabalho social que desenvolve há mais de 10 anos na comunidade de Peixinhos, em Olinda, recebendo o Troféu Abebé de Prata, em evento realizado no mês de maio no Teatro Luiz Mendonça, no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem. 



Serviço 
Os Guerreiros, do Balé Afro Raízes - todas as quartas de julho, às 20h, no Teatro Arraial Ariano Suassuna. Rua da Aurora, 457, Bairro da Boa Vista, área central do Recife. As entradas custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Os ingressos são disponibilizados na bilheteria do teatro a partir das 19h. Mais informações através dos números (81) 9 8788-3144 e 9 8761-4332.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.