• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Pernambucano está por trás de efeitos especiais do novo Blade Runner e Mulher-Maravilha Eduardo Bivar também esteve envolvido em produções como A Múmia

Por: Breno Pessoa

Publicado em: 06/07/2017 20:43 Atualizado em: 06/07/2017 22:19

Uma das cenas de Blade Runner 2049 que tiveram envolvimento do compositor de efeitos visuais recifense. Foto: Columbia Pictures/Divulgação
Uma das cenas de Blade Runner 2049 que tiveram envolvimento do compositor de efeitos visuais recifense. Foto: Columbia Pictures/Divulgação

Mulher-Maravilha, A múmia e Blade runner 2049 têm pouco em comum fora o fato de serem alguns dos principais blockbusters do cinema deste ano. Um ponto de convergência reside justamente em alguém dos bastidores não ligado diretamente aos filmes, mas que ajudou a compor um importante elemento dos longas: os efeitos visuais. É o pernambucano Eduardo Bivar, 34 anos, responsável pela computação gráfica de inúmeras cenas das três produções.

Compositor de efeitos visuais, Bivar reside em Vancouver, no Canadá e trabalha no Double Negative, estúdio por trás da criação de importantes elementos de cena de produções de Hollywood. Embora a colaboração em filmes do porte do novo Blade runner soe algo reservado a profissionais com experiência de longa data, Bivar tem relativamente pouco tempo de trabalho no meio cinematográfico.

A primeira contribuição no campo foi no ano passado, quando atuou nos efeitos visuais de Mulher-Maravilha. O pernambucano conta que foi contratado pelo estúdio quando o filme da super-heroína já estava na fase final da pós-produção, mas participou da tarefa como "prova de fogo". O bom desempenho abriu as portas para integrar a equipe de outras produções. O caminho até o arrasa-quarteirões começou no Recife, quando Bivar fez curso de 3D. "Aprendi a modelar personagens, animá-los e fazer texturas", diz.

Os primeiros trabalhos na área foram visualizações arquitetônicas para construtoras e projetos de ambientação para shows. "Estudei cinema por conta própria, em casa. Tentei fazer curtas de ficção científica com efeitos visuais para esse mundo", recorda. Bivar não esconde a empolgação em trabalhar no aguardado Blade runner 2049, continuação do cult de Ridley Scott de 1982.

Dirigido por Dennis Villeneuve (A chegada), o longa teve poucos detalhes divulgados. A sinopse oficial diz que a história se passa 30 anos após os eventos do primeiro longa e apresenta um novo blade runner, o policial K (Ryan Gosling). "Dennis está tentando fazer o máximo possível do que foi feito no primeiro filme", garante Bivar sobre a estética da continuação. "Muitas miniaturas, efeitos práticos e fumaça, misturando com computação gráfica", destaca o especialista, prometendo fidelidade ao clássico oitentista.

Los Angeles (EUA), onde se passa a ação, é praticamente um personagem do filme e reflete a atmosfera do roteiro. "É uma cidade poluída. A gente não vê o horizonte, sempre tem fumaça, os prédios no fundo começam a desaparecer", afirma, acrescentando que o cenário quase apocalíptico contrasta com a tecnologia que permeia todos os cenários, bastante marcados também pela presença de neon. O pernambucano acredita também que Blade Runner 2049 será, assim como o original, um marco nos efeitos visuais. "É um filme vanguardista. Os (novos) efeitos visuais são meio que experimentais, tem coisas nunca feitas antes", diz.

A mescla entre efeitos práticos e digitais, diz Eduardo, eleva o grau de complexidade do trabalho. "Quanto mais digital, mais fácil", conta, sobre as possibilidades de manipulação da imagem. Embora o tempo de trabalho dedicado aos efeitos de uma cena varie, o artista diz que um segundo de tela consome mais do que um dia de trabalho.

Bivar também ressalta que a construção dos efeitos não se restringe a causar impacto visual. "Toda cena tem duas histórias sendo contadas: no primeiro plano, onde o ator está, e no ambiente ao redor, no background. Sempre tem uma história sendo contada por trás", diz, sobre a composição.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.