• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Literatura Iniciada há exatos 20 anos, série literária Harry Potter é repleta de lições sobre tolerância à diversidade Com meio bilhão de cópias vendidas, saga fantástica de J. K. Rowling foi adaptada para o cinema e lucrou US$ 5 bilhões de bilheteria

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 26/06/2017 10:37 Atualizado em: 26/06/2017 13:12

O início da trajetória do bruxinho completa 20 anos. Foto: Warner/Divulgação
O início da trajetória do bruxinho completa 20 anos. Foto: Warner/Divulgação
 

 Há 20 anos, em 26 de junho de 1997, era lançado o livro Harry Potter e a pedra filosofal, pela editora Bloomsbury, no Reino Unido. A obra marcou o início de uma das sagas literárias mais famosas de todos os tempos, com seis continuações e oito longas-metragens que, juntos, lucraram mais de US$ 5 bilhões em bilheteria. A trajetória do bruxinho conquistou uma geração de leitores que se encantou pelo universo fictício de J.K Rowling, responsável por influenciar o gênero da literatura fantástica e desenvolver o hábito da leitura em crianças de todo o mundo. 

Mais do que isso, os títulos trouxeram, nas entrelinhas, um discurso relevante sobre discriminação social de maneira metafórica. Nos livros, bruxos nascidos de famílias não-bruxas são discriminados, assim como personagens “diferentes”, a exemplo de Rúbeo Hagrid (um homem meio-gigante), Remo Lupin (lobisomem) e Dobby (elfo doméstico). J.K Rowling chegou a revelar, inclusive, que Dumbledore é homossexual.

Harry Potter propõe reflexão sobre identidade. Há uma simbologia no sentido de trabalhar na minoria identitária uma discussão sobre superação e acolhimento”, diz o professor da UFRPE e autor de livros infanto-juvenis Hugo Monteiro Ferreira. Um estudo divulgado em 2014 pelo Journal of Applied Social Psychology demonstra que jovens leitores da saga tendem a ser menos preconceituosos contra grupos marginalizados da sociedade. 

Nesta perspectiva, também é possível perceber que o inimigo de Harry na história, Lorde Voldemort, surge como representante de uma ideologia opressora. No último livro da saga, o vilão rege um governo totalitário que persegue opositores e minorias do mundo bruxo. “Voldemort representa um polo negativo da nossa civilização, com uma perspectiva totalmente fechada à diversidade. O Harry é uma ameaça neste contexto, pois representa uma outra natureza, nem totalmente humana, nem totalmente bruxa”, conta Hugo.

Capa da primeira versão de Harry Potter e a pedra filosofal, lançada pela Bloomsbury. Foto: Bloomsbury/Divulgação
Capa da primeira versão de Harry Potter e a pedra filosofal, lançada pela Bloomsbury. Foto: Bloomsbury/Divulgação


A história do primeiro livro bebeu da fonte de outras obras de fantasia, como Senhor dos anéis, de Tolkien, As crônicas de Nárnia, de C.S. Lewis e do universo criado por Gary Gygax e Dave Arneson nos jogos de Dungeons and Dragons. Depois de Harry Potter, surgiram outras sagas bem-sucedidas, como Percy Jackson, Desventuras em série e Jogos vorazes. “Com estruturas similares, elas foram publicadas na expectativa de se tornarem filmes”, afirma Bruno Nogueira, professor do departamento de Comunicação Social da UFPE. 

FÃ-CLUBE NA WEB 
Para Bruno Nogueira, Harry Potter é interessante por ter sido um dos primeiros produtos de literatura infanto-juvenil com grupos de fãs online. “Podemos identificar como uma comunidade de fãs se comporta livremente. É possível observar o que eles fazem com as histórias que leem”. Sobre a premissa de que os livros “criaram novos leitores”, Bruno ressalta que os títulos da série tornaram-se mais complexos. “Isso provoca o gosto por ler mais e não tornar a experiência de leitura obsoleta, com um ‘pós-adolescente’ achando a história boba”, diz.

LEGADO
Até hoje o universo Harry Potter tem forte presença na internet, em portais como Pottermore, mantido por J.K. Rowling. No espaço, ela publica textos que alargam o alcance das histórias. Em uma de suas postagens mais recentes, na semana passada, a escritora revelou a existência de um ancestral do bruxinho, chamado Henry Potter. Depois do fim da saga original, a autora iniciou uma nova série, Animais fantásticos e onde habitam, além de ter escrito o roteiro de uma peça, Harry Potter e a criança amaldiçoada.

No Twitter, a autora comemorou a marca: "Há 20 anos, um mundo que eu vivi sozinha de repente se abriu a outros. E tem sido lindo. Obrigado". 
 


SERVIÇO
Para marcar os 20 anos da saga literária, fãs se reúnem para a #HarryPotterBookNight
Quando: hoje, às 19h
Onde: Livraria Saraiva do Shopping RioMar (Avenida República do Líbano, 151, Pina)
Quanto: Gratuito

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.