• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Literatura 'Código da Vinci brasileiro' vai ser contado em livro Obras do estudante acreano desaparecido em março serão publicadas por editora

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 19/06/2017 15:55 Atualizado em: 19/06/2017 15:57

Desaparecimento misterioso teve ampla repercussão no inicio do ano. Foto: Facebook/Reprodução
Desaparecimento misterioso teve ampla repercussão no inicio do ano. Foto: Facebook/Reprodução

A família do estudante de psicologia Bruno Borges, que ficou conhecido como o "alquimista do Acre" após seu desaparecimento no dia 27 de março, fechou um acordo com uma editora para a publicação dos livros deixados por ele. O acreano de 25 anos deixou 14 obras criptografadas organizadas em capítulos, além de manuscritos nas paredes, chão e teto da casa onde morava em Rio Branco.

Segundo o pai de Bruno, Athos Borges, os livros serão publicados na ordem deixada pelo filho, iniciando por Teoria da absorção de conhecimentos (TAC). A obra ainda não tem data para chegar às livrarias, o que ficará a cargo da editora - que não teve nome divulgado. Além do formato físico, os livros serão publicados em formado digital, o e-book, simultaneamente.

A família do jovem divulgou ainda uma pequena sinopse do primeiro livro: trata-se de uma metodologia para potencializar a absorção e criação de conhecimentos. Umas das práticas sustentadas pela tese seria o isolamento, medida que, segundo os textos de Bruno Borges, seria capaz de potencializar a espiritualidade e os órgãos sensoriais para gerar insights produtores de conhecimentos.

Lembre o caso
O rapaz foi visto pela última vez no dia 27 de março durante um almoço familiar. Móveis e objetos pessoais também desapareceram. No quarto, Bruno Borges deixou uma coletânea de livros criptografados e categorizados, manuscritos e uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600). Segundo a família, a retirada dos objetos e a chegada da estátua - criada sob encomenda pelo artista plástico Jorge Rivalta - ocorreu em um período de 20 dias, enquanto os pais viajavam de férias.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.