Show 'Sou apaixonada por Lenine e Lula Queiroga', diz Roberta Sá, que canta em Pernambuco no sábado Cantora potiguar apresenta a turnê Delírio No Circo no Teatro Guararapes

Por: Eduarda Fernandes

Publicado em: 24/03/2017 14:28 Atualizado em: 24/03/2017 16:08

Delírio foi indicado a duas categorias do Grammy Latino. Foto: Marcos Hermes/Divulgação
Delírio foi indicado a duas categorias do Grammy Latino. Foto: Marcos Hermes/Divulgação

Em maio do ano passado, Roberta Sá gravou no Rio de Janeiro a versão ao vivo do seu quinto álbum de estúdio, Delírio. Com mudanças de repertório e novos arranjos, o show percorreu o país e aporta em Pernambuco neste sábado, no Teatro Guararapes. Indicado a duas categorias no Grammy Latino - Melhor Álbum de Música Popular Brasileira e Melhor Álbum de Engenharia de Gravação -, o disco marca o retorno da cantora ao samba após um CD com influências do pop e do frevo - Segunda pele, de 2012, contou com regravação da música Deixa sangrar, composta por Caetano Veloso e lançada por Gal Costa no carnaval de 1970. "Precisava encontrar o primeiro impulso, o que me fez cantar e abraçar essa profissão. Acho que o desejo e o acaso sempre apontam qual direção seguir, e o samba é minha casa", afirma Roberta.


Apresentar o show em Olinda, para a potiguar de 36 anos, tem um gosto especial. "Eu amo a cultura pernambucana, tem uma música tão rica e forte que abraça o país inteiro", elogia ela, que cita nomes como Lenine (com quem gravou a música Fogo e gasolina para o álbum Que belo estranho dia para se ter alegria, de 2007) e Lula Queiroga como seus artistas locais preferidos. "Para mim, são os maiores. Sou completamente apaixonada pelos dois", derrete-se. Ah, se eu vou, do álbum Aboiando a vaca mecânica (2001), de Queiroga, foi regravada por Roberta para seu primeiro projeto, Braseiro, de 2005, e ganha nova roupagem no show de amanhã.

A apresentação conta ainda com canções que a sambista nunca levou a estúdio. É o caso de Gostoso veneno, originalmente cantada por Alcione, e de Um passo à frente, escrita por Moreno Veloso, que assina também Meu novo ilê, canção que abre o Delírio de estúdio. O filho de Caetano é parceiro antigo da artista - trabalham juntos desde 2007. O repertório da apresentação conta ainda com Me erra, composta por Adriana Calcanhotto especialmente para o álbum, Amanhã é sábado, parceria com Martinho da Vila ("uma pessoa que eu queria que estivesse presente de qualquer jeito"), e Se for para mentir, composição de Arnaldo Antunes que Roberta gravou com Chico Buarque. Roberta descreve Delírio no circo (versão ao vivo do disco) como algo maior que um registro de um momento - o projeto, para ela, é uma celebração de encontros.

"Muita coisa muda do Delírio para No circo. Nossa vivência na estrada, a interação com o público, o calor do ao vivo, tudo isso interfere muito positivamente no resultado das canções", conta ela, que sobe ao palco ao lado de Fernando Caneca (violões), Alberto Continentino (baixo), Luis Barcelos (bandolim e cavaco) e Marcos Suzano (percussão) - os músicos também a acompanharam nos shows internacionais do projeto, que passou por Holanda, Uruguai, França, Portugal, Espanha, Inglaterra e Escócia.

Entre os artistas nacionais que costuma ouvir, Roberta cita Ylana Queiroga, filha de Nena ("uma família que é toda querida e talentosa"), o petrolinense Zé Manoel, além da banda O Terno e os cantores Rubel e Tiago Iorc. A sambista, no entanto, pontua: "Todos os artistas brasileiros me formaram e ajudaram a criar minha identidade artística de alguma maneira. Desde Tom e Vinicius, Rosa Passos, até Elba Ramalho, Elis Regina, Geraldo Azevedo, Fagner, Elza Soares, Gal Costa, para citar alguns".

No natal de 2016, Roberta ganhou de Gilberto Gil uma música composta por ele, o samba Giro. Apesar de não ter divulgado planos para o próximo álbum, a cantora garante que a canção será gravada e disponibilizada para o público "muito em breve".

SERVIÇO
Roberta Sá em Delírio no Circo
Quando: sábado, 25 de março, às 21h
Onde: Teatro Guararapes (Centro de Convenções de Pernambuco, Avenida Prof. Andrade Bezerra, s/n, Complexo Salgadinho, Olinda)
Quanto: R$ 144 e R$ 72 (meia) para a plateia e R$ 104 e R$ 52 (meia) para o balcão
Informações: 3182-8020

Acompanhe o Viver no Facebook:

[VIDEO1]



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.