• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Em rara entrevista, Bob Dylan diz que Amy Winehouse foi a última grande personalidade viva A conversa, conduzida pelo jornalista e escritor Bill Flanagan, antecede o lançamento de um novo trabalho do músico, Triplicate

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/03/2017 11:42 Atualizado em: 24/03/2017 11:30

"Ela foi a última grande personalidade que viveu por aqui", afirmou o artista. Fotos: Kevin Winter/AFP e Mondo Entretenimento/Divulgação
"Ela foi a última grande personalidade que viveu por aqui", afirmou o artista. Fotos: Kevin Winter/AFP e Mondo Entretenimento/Divulgação


Bob Dylan dirigiu elogios a Amy Winehouse em uma rara entrevista publicada no seu site oficial nesta quinta-feira (23). O cantor de 73 anos afirmou que a voz de Rehab e Back to black foi a última grande artista com estilo próprio viva: "Ela foi a última grande personalidade que viveu por aqui", afirmou. A conversa, conduzida pelo jornalista e escritor Bill Flanagan, antecede o lançamento de um novo trabalho do músico, Triplicate.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se

O projeto se trata de uma coleção de três discos em que interpreta canções famosas na voz de Frank Sinatra. Segundo Dylan, reproduzir músicas de outro artista faz parte de um processo natural na arte: "Sempre há um precedente, quase tudo é cópia de alguma outra. Uma vez que você tem a ideia, tudo que vê, lê, saboreia e cheira se torna uma alusão a isso. É a arte de transformar as coisas".

E concluiu: "Você não serve à arte, a arte serve a você e é apenas uma expressão da vida, não é a vida real". É o terceiro trabalho que ele lança no formato - divulgou Shadows in the night em 2015 e Fallen angels em 2016. Disse, também, não ser saudosista por estar gravando músicas do passado, como Stormy weather e As time goes by. "Não é uma viagem às memórias ou anseio ou saudades dos bons velhos dias ou das boas memórias do que já não existe mais", afirmou o artista.

Apesar de não falar sobre ter recebido o mais recente prêmio Nobel de Literatura, o músico comentou sobre outros artistas, como as cantoras Valerie June e Imelda May, a banda de rock Stereophonics e rasgou elogios para Joan Baez, ícone do folk com quem manteve um relacionamento até a década de 1960. "Você teria que se agarrar a um mastro como em Odisseia e tapar os ouvidos para não escutá-la. Ela fazia você se esquecer quem era", disse, em referência à voz da cantora.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.