• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Televisão BBB 17 x MasterChef Brasil: Cinco razões por que é melhor assistir ao reality de gastronomia Elenco, edição, critérios mais objetivos e independência da pressão popular são algumas vantagens

Por: Fernanda Guerra - Diario de Pernambuco

Publicado em: 14/03/2017 21:47 Atualizado em: 14/03/2017 21:33

O MasterChef Brasil é exibido às terças-feiras, às 22h30, na Band. Foto: Band/Divulgação
O MasterChef Brasil é exibido às terças-feiras, às 22h30, na Band. Foto: Band/Divulgação

O Big brother Brasil é o reality show mais consolidado e rentável da Globo, da mesma forma que o MasterChef Brasil é o carro-chefe da Band. O primeiro começou em 2002 e, o segundo, foi ao ar pela primeira vez em 2014. Apesar de mais novo, o programa gastronômico está em sua quarta temporada da edição original e acumula duas versões infantis e uma profissional. A "overdose" da marca na grade, no entanto, não interferiu nos índices de audiência da reestreia. O primeiro episódio da quarta versão de participantes amadores, exibido no último dia 7, representou um aumento de 32% na média, em comparação ao episódio da terceira temporada.

Confira os horários dos filmes em cartaz no Divirta-se

Enquanto isso, o BBB 17, comandado pela primeira vez por Tiago Leifert, tem a marca de 21 pontos de média, a pior em cinco anos. O programa da Globo vem recebendo uma enxurrada de críticas, principalmente por causa de manipulação das edições. Enquanto os participantes disputam o título de vencedor do MasterChef ou do BBB, os dois realities concorrem entre si nas noites de terças-feiras, tanto na audiência televisiva como em repercussão nas redes sociais. Em nível de entretenimento, o MasterChef Brasil é mais "saudável" para assistir.

Razão 1- Elenco carismático
Um dos principais motivos do desgaste do BBB é o elenco pouco cativante. Logo no início, a 17ª edição impressionou pela diversidade dos confinados, a maior de toda a trajetória do programa. Apesar disso, não engrenou. Histórias entediantes, marasmo, frustrações de promessas, ausência de conflito - de uma semana para cá, houve uma melhora -, eliminação precoce de bons personagens e a permanência de outros inexpressivos foram alguns dos problemas. Já o MasterChef Brasil não corre esse risco. Além de contar com participantes interessantes, o reality da Band possui um time de jurados que já conquistou a aprovação do público. Os carismáticos Paolla Carosella, Henrique Fogaça e Érick Jacquin também prendem a audiência.

Razão 2 - Edição questionável
A imparcialidade do programa foi questionada por críticos de televisão e por boa parte do público. Nos últimos dias, internautas endossaram as críticas com hashtags como #BBBMANIPULADO, que figuraram entre os assuntos mais comentados do Twitter. Não é de hoje que o programa é acusado de favorecer participantes em detrimento de outros, mas no episódio do muro México x Estados Unidos - era evidente que Emilly seria a beneficiada - deu combustível às acusações. No caso do MasterChef, os programas são gravados com antecedência e apenas a final é exibida ao vivo.  Por isso, a atração não sofre a pressão do público. Os participantes apresentam pratos que são julgados pelos próprios jurados, ou seja, isso independe da predileção dos telespectadores.

Razão 3 - O jogo em função de uma pessoa
Uma conversa entre a youtuber Roberta e o médico Marcos sintetizou a 17ª edição do reality show. “Se ainda estivesse com Emilly, eu estaria vivendo o Big Brother dela”, disse a mineira. De fato, o reality show parece ser da gaúcha de 20 anos, amada e odiada por fãs do programa. A edição passou a girar em torno do casal Marcos e Emilly. No MasterChef, os episódios são marcados por provas. Por mais que surjam favoritos, a competição não cansa a audiência em cima de um nome.

Razão 4 - Imposição das torcidas
A 17ª edição do Big brother Brasil dá a impressão de que o programa, que só chega ao término em abril, já tem uma vencedora. Mesmo com rejeição expressiva na internet, Emilly possui a maior torcida de todas. O programa se torna, mais do que nunca, refém de torcida, o que compromete o rumo da atração. Por não depender da opinião do público, o MasterChef adota critérios aparentemente mais objetivos a partir das receitas apresentadas nas disputas.

Razão 5 - Inserção cultural
O confinamento de diferentes pessoas em uma casa é uma experiência enriquecedora, da qual se pode extrair aprendizado enquanto público. Na edição deste ano, a sensatez do médico Marcos começou como um ponto positivo, o que o levou ao título de favorito do programa, depois preterido por Emilly. No entanto, a edição do reality show não aproveita da melhor forma. O MasterChef, além de entreter, é didático em sua essência. Nas edições exibidas na Band, é possível conhecer sobre a gastronomia de diferentes lugares, particularidades do prato e da região, o que provoca uma inserção cultural através da gastronomia.

Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.