• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Paul McCartney processa gravadora para recuperar direitos dos Beatles Batalha judicial pode ter importantes consequências para a indústria fonográfica

Por: Estado de Minas

Publicado em: 19/01/2017 19:19 Atualizado em: 19/01/2017 18:29

As músicas foram compradas nos anos 1980 por Michael Jackson e vendidas pela família do cantor no ano passado. Foto: Parlophone Records/Reprodução
As músicas foram compradas nos anos 1980 por Michael Jackson e vendidas pela família do cantor no ano passado. Foto: Parlophone Records/Reprodução


Paul McCartney entrou, na última quarta-feira (18), com uma ação em Nova York contra a Sony ATV Music Publishing para recuperar os direitos autorais de algumas canções dos Beatles, em uma batalha que pode ter importantes consequências para a indústria fonográfica. De acordo com a legislação americana de proteção dos direitos autorais de 1976, os artistas podem recuperar os direitos de suas obras 35 anos depois de sua primeira edição, ou até 56 anos para obras anteriores a 1978.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se

Em 2018 serão completados 56 anos desde que os Beatles lançaram seu primeiro single, Love me do. De acordo com o processo, McCartney havia solicitado à Sony ATV Music Publishing que reconhecesse as notificações dos Beatles de que planejava terminar com os contratos sob a legislação americana, mas que ''se negaram a dar tal confirmação''.

Uma batalha semelhante foi travada pela banda Duran Duran, no ano passado. O grupo, no entanto, perdeu a causa na Suprema Corte Britânica. McCartney tenta reaver os direitos das 267 músicas da banda desde os anos 1980. Na ocasião, o cantor norte-americano Michael Jackson ofereceu mais dinheiro que o ex-Beatle e conseguiu comprar as músicas. A família de Jackson as vendeu novamente ano passado, para pagar as dívidas que a morte do artista deixou. 

Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.