• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música David Bowie completaria 70 anos neste domingo O cantor e compositor inglês David Bowie morreu, em 11 de janeiro de 2016, por complicações de um câncer no fígado

Por: Alexandre de Paula

Publicado em: 08/01/2017 11:30 Atualizado em:

David Bowie faria 70 anos neste domingo (8/1). Foto: Divulgação
David Bowie faria 70 anos neste domingo (8/1). Foto: Divulgação
Pode nem parecer tanto tempo, mas já faz quase um ano que o cantor e compositor inglês David Bowie morreu, em 11 de janeiro de 2016, por complicações de um câncer no fígado, que ele soube três meses antes que seria fatal. Um dos músicos mais importantes do rock e da música pop, Bowie completaria 70 anos neste domingo (8/1) se não tivesse perdido a luta de 18 meses contra a doença.

Em 69 anos de vida, Bowie lançou 25 discos de estúdio e marcou a história da música mundial. O último álbum saiu exatamente um ano atrás, no aniversário do compositor. Blackstar era a despedida do cantor, que foi um dos maiores ícones da música pop de todos os tempos.

Até os últimos momentos, Bowie continuou criando e tentando ser inovador. O saxofonista Donny McCaslin foi convocado por ele para dar um toque de jazz a Blackstar. Ele conta que Bowie queria fazer algo diferente do que já havia feito antes na carreira. Ao ser convidado, ele resolveu ouvir toda a discografia do inglês, mas Bowie pediu que ele esquecesse os trabalhos anteriores. “Ele me mandou um e-mail dizendo, essencialmente, que ‘aquilo fazia parte do passado e que estava em uma fase diferente’. Era incrível que com aquela idade ele estivesse se movendo para frente”, lembrou, em entrevista sobre o astro.

Para celebrar a memória de Bowie, uma série de shows, batizada de Celebrating David Bowie, ocorre hoje em cidades que tiveram ligação com a trajetória do cantor. Em Londres, por exemplo, o evento será realizado na 02 Academy, em Brixton, e será comandado por Gary Oldman, Seal, Ewan McGregor e outros músicos.

David Robert Jones nasceu no distrito de Brixton (onde ocorrerá a homenagem na Inglaterra hoje), em 1947. Lá, uma briga, aos 16 anos, foi responsável por uma de suas marcas físicas: o olhar diferente e estranho por conta da pupila permanentemente dilatada.

Bowie, que começou a carreira na adolescência, teve a trajetória marcada pelas transformações e seus inúmeros personagens, como Ziggy Stardust, Aladdin Sane e Thin White Duke. Transitando em vários gêneros e flertando com o mundo do cinema, do teatro, da moda e da pintura, ele conquistou uma legião de fãs e influenciou muitos artistas do mundo pop.

Influência
"David Bowie é uma de minhas principais fontes de inspiração, tão valente, tão criativo, nos deu magia para uma vida inteira", disse o rapper Kanye West quando o cantor morreu. A obra de Bowie mexeu com a cabeça de artistas de todas as áreas. De Lady Gaga e Kanye West ao diretor de cinema Guilherme Del Toro, o legado de Bowie foi fundamental para muito do que é produzido pela cultura pop hoje.

"Bowie existiu para que todos os inadaptados como nós aprendêssemos que uma extravagância é algo valioso. Mudou o mundo para sempre", disse o mexicano Guillermo del Toro.

Para se ter uma ideia da dimensão do legado de Bowie, mais de 120  artistas e bandas aparecem na lista de inspirados por ele do Allmusic.com (o site apresenta uma rede de influências musicais). Entre os grupos, estão Queen, Madonna, Radiohead...

Sempre na contramão
Filho de David Bowie, o diretor de cinema Duncan Jones (de Warcraft) revelou, depois da morte do cantor, que a personalidade e a obra do pai foram fundamentais para o desenvolvimento do seu trabalho. Sem vocação para a música, Jones contou que Bowie não só apresentou a ele filmes importantes, como incentivou que o filho fizesse pequenos curtas-metragens com brinquedos, ainda jovem. "Com ele vi Laranja mecânica quando tinha apenas 8 anos. Jovem demais", lembrou em entrevista ao El País.

De todas, no entanto, uma lição foi mais importante, acredita Jones. Bowie o ensinou a ter coragem e a não se conformar. A filosofia do cantor inglês, que teve uma carreira marcada por transformações e mudanças, foi fundamental para o filho: "Ele me ensinou o valor de ir contra a corrente".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.