• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Crítica Ex-amante de Pablo Escobar critica atuação de Wagner Moura em Narcos: 'Desastre' Virginia Vallejo, que durante cinco anos teve um caso com traficante colombiano, chefe do Cartel de Medellín, disse que "é uma coisa ridícula ele falando em portunhol"

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/10/2016 08:20 Atualizado em: 18/10/2016 09:57

Jornalista colombiana não ficou satisfeita com "Narcos". Foto: Virginia Vallejo Garcia/Reprodução
Jornalista colombiana não ficou satisfeita com "Narcos". Foto: Virginia Vallejo Garcia/Reprodução


A jornalista colombiana Virginia Vallejo García, que além de ter se tornado a estrela do horário nobre na Colômbia nos anos 1980 ficou conhecida também pelo romance que manteve com o chefe do cartel de Medellín, Pablo Escobar, morto em 1993, classificou como um "desastre" a atuação do ator brasileiro Wagner Moura, na série Narcos, da Netflix. Moura interpretou o chefão do narcotráfico na duas primeiras temporadas de Narcos e, conforme o roteiro, se despediu na segunda com a morte do personagem principal. 

Em entrevista exclusiva concedida à revista GQ Brasil, publicada na última sexta-feira (14), Vallejo mostrou uma opinião contundente sobre Narcos. Ao ser questionada sobre a série, ela se disse irritada com a personagem inspirada em sua história, a jornalista Valeria Velez, interpretada pela atriz mexicana Stephanie Sigman. "Inventaram todas essas canalhices sobre a minha vida. A minha relação com Pablo Escobar acabou em 1987 e durante toda a era do narcoterrorismo eu vivia na Alemanha. Portanto, não tinha nada a ver com Pablo Escobar nem com nada desse mundo. Fui uma estrela e uma menina da alta sociedade", afirmou à publicação. 

Ela afirma que deposita suas esperanças de ver uma história mais fiel à realidade no filme Escobar, que conta com Javier Bardem e Penélope Cruz no elenco e tem como previsão de lançamento o ano que vem. Virginia compara a produção a Narcos e fala sobre a atuação de Moura: "Acho que Javier vai ser sensacional. Porque esse ator brasileiro (Wagner Moura) é um desastre. As pessoas nem querem ver o segundo episódio da série porque é uma coisa ridícula ele falando em portunhol". 

Vivendo em Miami há dez anos, Vallejo demonstra repulsa ao ser chamada de "a amante de Escobar", embora reconheça que está fadada a ser lembrada para sempre pela relação que teve o mais famoso chefe do narcotráfico entre os anos 1980 e 1990. "Quero diminuir cada vez mais essa imagem de amante de Pablo Escobar, porque vivi 30 anos antes de Pablo e 35 anos depois de Pablo. A minha relação com ele durou apenas cinco anos. E, além disso, eu o deixei varias vezes. A cada vez que ele cometia um crime terrível, eu estava sempre fora, viajando", revela ela.

Virginia Vallejo Garcia não a única personalidade retratada na série que externou críticas à produção. O filho de Pablo Escobar, Sebastian Marroquin, usou suas redes sociais para falar sobre inconsistências no roteiro. Ele listou 28 fatos que julgou inverídicos na história retratada pela Netflix, passando pequenos fatos corriqueiros até acontecimentos e características do narcotraficante. "O meu pai não torcia pelo Atlético Nacional, mas pelo Deportivo Independiente Medellín. Se os roteiristas não sabem nem o time favorito de Pablo, como ousam contar o resto de uma história assim e vendê-la como certa? Será que vale tudo?", escreveu ele na publicação. 

Apesar das controvérsias, Narcos segue sendo um sucesso estrondoso. Com três temporadas, a produção original da Netflix arrebatou uma série de espectadores que acompanham assiduamente o enredo. A série também ganhou duas indicações ao Globo de Ouro: uma na categoria de melhor série dramática e outra pela atuação de Wagner Moura, que concorreu como melhor ator em série de drama, além das indicações em outras premiações como Writers Guild of America, BAFTA TV Awards e Satellite Awards.

Acompanhe o Viver no Facebook:


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.