• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Aquarius não dialoga bem com Oscar, diz diretor de Pequeno Segredo Produção de David Schurmann foi escolhida para tentar uma vaga na disputa do Oscar de melhor filme estrangeiro

Por: Mariana Peixoto - Estado de Minas

Publicado em: 13/09/2016 10:26 Atualizado em: 13/09/2016 15:16

Enredo é baseado na história real de Kat Schurmann, filha adotiva do casal Heloisa e Vilfredo, que faleceu em 2006. Foto: Diamonds Filmes/Divulgação
Enredo é baseado na história real de Kat Schurmann, filha adotiva do casal Heloisa e Vilfredo, que faleceu em 2006. Foto: Diamonds Filmes/Divulgação


Pequeno segredo, de David Schurmann, desbancou Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, na corrida do Brasil pelo Oscar. A coprodução com a Nova Zelândia foi escolhida por uma comissão de dez jurados nomeados pela Secretaria do Audiovisual para definir o representante brasileiro a tentar uma vaga na disputa do Oscar de filme estrangeiro.
 

A Academia de Hollywood anunciará os cinco indicados em 24 de janeiro. Pequeno segredo é inspirado na história da família Schurmann (David é um dos filhos dos velejadores Vilfredo e Heloísa Schurmann). O filme amarra algumas histórias. A principal delas é sobre a garota Kat, que foi adotada pelos Schurmann após perder os pais. O elenco mistura atores brasileiros e estrangeiros. Na parte nacional estão Julia Lemmertz, Marcelo Anthony e Maria Flor. Na internacional, destacam-se a irlandesa Fionnula Flanagan e o neozelandês Erroll Shand.

Schurmann, de 42 anos, diz que sua meta sempre foi o Oscar. Leia entrevista logo abaixo. No Canadá, onde participa do Festival de Toronto, Mendonça Filho reagiu à não indicação de Aquarius com uma nota enviada por meio da assessoria de imprensa do filme. "Soube aqui no Festival de Toronto da decisão via Ministério da Cultura de não indicar Aquarius como candidato brasileiro ao Oscar. Estou numa tarde de entrevistas e já vendo o tipo de reação que tem surgido na imprensa e redes sociais sobre Aquarius não ter sido escolhido", dizia a publicação.

O assunto foi um dos Trending Topics no Twitter na tarde de ontem, com avalanche de comentários, tanto dos que se revoltaram com a derrota do filme quanto dos que aplaudiram a escolha de outro candidato.

Segue a nota do cineasta pernambucano: "É bem possível que a decisão da comissão esteja em total sintonia com a realidade política do Brasil, ou seja, é coerente e já esperada. Para além de decisões institucionais via governo brasileiro, Aquarius tem conquistado internacionalmente um tipo raro de prestígio, e isso inclui distribuição comercial em mais de 60 países, enquanto já se aproxima dos 200 mil espectadores nos cinemas brasileiros, com o tipo de impacto popular também raro. Mais ainda, é um filme que já faz parte da cultura e desse tempo, num ano difícil no nosso país.
 
No final das contas, Aquarius é um filme sobre o Brasil, que está no filme da maneira mais honesta possível. Talvez seja exatamente esta honestidade que tenha feito de Aquarius um filme forte como agente cultural, social e produto da nossa indústria do entretenimento. Sonia está aqui do lado, poderosa como Clara. Ela manda beijos!".

Nos últimos dias, a página do Facebook de Pequeno segredo dava sinais do crescimento da candidatura. Texto postado no sábado mostra as impressões do produtor Barrie Osborn, vencedor do Oscar por O senhor dos anéis, sobre o filme: "É de uma execução impressionante. Parabéns. Já não é mais um pequeno segredo, mas um filme que todos nós podemos comemorar".

Três perguntas para...

David Schurmann
diretor de Pequeno segredo

1 - Pelas regras da Academia de Hollywood, os concorrerentes ao Oscar de filme estrangeiro devem estrear em seus países até 30/9. Vocês mudarão a estratégia de lançamento?

O filme sairá de modo restrito até o dia 30, para cumprir as regras e será nacionalmente distribuído em pelo menos 300 salas em novembro.

2 - Esperava que Pequeno segredo fosse conseguir a vaga?

Quando o filme estava nos primeiros cortes, fui ao Festival de Berlim para uma projeção para o mercado internacional. Disseram que era um filme para o Oscar. Aquilo começou a nos pegar, pois fizemos um filme brasileiro de qualidade internacional e que não é de nicho. Começamos a pensar no Oscar. Ele estrearia em junho, mas atrasamos por causa da finalização do som e por causa de uma baleia digital. Eu não queria que ela parecesse digital, então só acabamos quando chegamos a um resultado bacana. 

3 - Aquarius era seu principal concorrente?

Assisti a Aquarius em Cannes, ao lado do Kleber Mendonça Filho e da Sonia Braga. Quando vi o filme, vi que ele não fala bem com o Oscar, fala bem com Cannes. O Brasil, nos últimos anos, tem enviado filmes parecidos com Aquarius, que não necessariamente dialogam bem com o Oscar. O último que entrou, e que era diferente, foi Cidade de Deus, com quatro indicações. Acompanhando os filmes, claro que Aquarius tinha potencial, assim como Nise – O coração da loucura e Mais forte que o mundo. Mas, conhecendo nosso filme, acho que ele tem uma chance real.



Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.