• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Gente Carlos Villagrán, o Quico, critica Florinda Meza por declarações de que Seu Madruga usava drogas: É tudo mentira Atriz fez declaração polêmica em entrevista ao programa de Gugu Liberato

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 30/03/2016 09:30 Atualizado em:


Villagrán, amigo pessoal de Valdés, confirmou que o ator não tinha problemas com drogas. Foto: Divulgação
Villagrán, amigo pessoal de Valdés, confirmou que o ator não tinha problemas com drogas. Foto: Divulgação

O ator e humorista Carlos Villagrán, intérprete do personagem Quico em Chaves, criticou a ex-colega de trabalho Florinda Meza por entrevista ao programa Gugu (Record), na qual ela afirmou que Ramon Valdés, o Seu Madruga, falecido em 1988, teria problemas com drogas. "Não sei qual foi o motivo, a causa, a razão ou a circunstância que a levou a dizer uma barbaridade tão grande tendo sido colegas no programa. Não entendo", afirmou.

O ator de 72 anos afirmou ainda que, por ser amigo pessoal de Valdés, podia afirmar com certeza que o ator não sofria de problemas com substâncias ilícitas: "Ela é culpada pelo que diz. São suas palavras e deve responder por isso, não Ramón Valdés, que já está morto e não pode se defender. Posso confirmar que ele não era drogado porque fui seu melhor amigo. Muita gente perguntou, e posso dizer que tudo o que Florinda Meza disse é mentira".

A declaração de Florinda gerou polêmica nas redes sociais. A neta de Valdés, Mariana, contestou a declaração de Florinda: "Meu avô viciado? Já me lembro quantos casamentos você invadiu", cutucou.

Meza mantinha relacionamento Bolaños há mais de 30 anos, mas só oficializaram a união em 2004. Ele morreu em setembro de 2014, com 85 anos de idade. Ele tinha problemas respiratórios e, há alguns anos, já apresentava dificuldades de se mexer e respirar. O ator estava internado em Cancún, no México, na companhia de sua família.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.