• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Carnaval Carnaval 2016: Estreia de Selvática, de Karina Buhr, e música africana marcam domingo no Rec-Beat LADAMA, Igor de Carvalho, DJ Evandro Q, DJ Batida e Ifá Afrobeat também subiram ao palco montado no Cais da Alfândega

Por: Larissa Lins - Diario de Pernambuco

Publicado em: 08/02/2016 08:09 Atualizado em: 08/02/2016 08:33

Karina encerrou a noite com estreia do álbum Selvática. Foto: Ariel Martini/Divulgação
Karina encerrou a noite com estreia do álbum Selvática. Foto: Ariel Martini/Divulgação

Pontualidade nos horários dos shows, movimentação tranquila de público e uma das apresentações mais vigorosas dos polos descentralizados do carnaval do Recife até então, a cargo de Karina Buhr, marcaram a segunda noite do Festival Rec-Beat, armado no Cais da Alfândega, Bairro do Recife. A estreia do álbum Selvática, lançado no ano passado pela cantora baiana radicada em Pernambuco, encerrou a programação do domingo no polo, ainda nas primeiras horas da madrugada. Com princípio melódico, a performance de Karina teve início à 0h40 - estava prevista para começar à 0h30, finalizando, assim, sequência de entradas pontuais no palco ao longo de toda a noite - e tornou-se mais intensa com o decorrer do setlist. Músicas como Eu sou um monstro, Conta-gotas, Vela e navalha e Esôfago entraram no repertório, cuja abertura foi embalada pelos versos de Dragão

Carnaval 2016: Em noite de samba e chuva, Gaby Amarantos convida a Musa e faz homenagem a Rossi

A catarse dos fãs acompanhou o ritmo da artista de figurino libertário, ousado, sensual, cuja relação com o empoderamento feminino era evidenciada pelas letras das canções. As transparências no vestuário remetiam à capa do disco, o terceiro da carreira dela, no qual Karina exibe os seios e segura um punhal - motivo de polêmica na fase de lançamento, quando a imagem foi censurada pelo Facebook devido à nudez. Na ocasião, ela já declarava a inspiração vinda das mulheres selváticas, das guerreiras Daomé e dos animais selvagens.

O termo "selvagem" definiu, inclusive, boa parte dos momentos, os ápices do show da noite passada. O curto "Boa noite, gente" disparado pela artista no início da performance deixou claro que as músicas - aliadas à entrega dela em cena - bastavam para garantir a empatia dos foliões: ao fim do show, elogios à cantora dominavam o Cais da Alfândega, replicados, ainda, nas redes sociais. Ovacionada pela plateia, Karina saiu de cena sob chuva, tendo encontrado eco entre o público do Rec-Beat para a estreia de Selvática em Pernambuco.

Confira a programação completa do carnaval do Recife

Igor de Carvalho é um dos novos nomes da cena pernambucana. Foto: Ariel Martini/Divulgação
Igor de Carvalho é um dos novos nomes da cena pernambucana. Foto: Ariel Martini/Divulgação
Antes dela, as batidas de matriz latina e africana dominaram a programação. Os pernambucanos Igor de Carvalho e DJ Evandro Q abriram a grade, cujo engajamento político mostrou-se mais forte do que na noite anterior do festival. Temas como feminismo, combate ao preconceito racial e a luta por direitos foram recorrentes. O grupo LADAMA, formado exclusivamente por mulheres, aproveitou as batidas caribenhas para transformar o polo em pista de dança, enquanto as instrumentistas reforçavam a luta feminista pela igualdade entre os gêneros. Lara Klaus, representante brasileira (e recifense) no grupo, foi porta-voz na ocasião.

Já o grupo baiano Ifá Afrobeat aproveitou o palco para requerer maior valorização da cultura africana e das raízes musicais emprestadas pelo Velho Continente ao mundo. "Somos Ifá Afrobeat, mas nosso sobrenome é África, o de todos. Somos funk, afrobeat e tudo mais que a Mãe África nos deu", declarou um dos integrantes. Ele mencionou, ainda, encontro com Jorge Du Peixe, vocalista do grupo pernambucano Nação Zumbi, em show na concha acústica de Salvador, para registrar homenagem a Chico Science e ao legado do movimento mangue no Brasil. Uma das faixas, intitulada Axé, havia sido feita nos últimos dias, segundo o grupo.

Confira a programação completa do carnaval de Olinda


Ifá Afrobeat falou sobre a valorização da cultura africana. Foto: Ariel Martini/Divulgação
Ifá Afrobeat falou sobre a valorização da cultura africana. Foto: Ariel Martini/Divulgação
O repertório instrumental do Ifá Afrobeat pareceu se estender ao longo da apresentação seguinte, iniciada por volta das 23h30, quando o produtor e DJ Batida subiu ao palco - o que rendeu, somados os dois setlists, quase duas horas de música sem versos, deixando o público livre para, além de se balançar ao som cadenciado das batidas de matriz africana, circular e conversar pelos arredores do polo. Não houve incômodo, mas o prelúdio instrumental valorizou ainda mais a entrada de Karina Buhr e suas letras em cena, já cercada de expectativa ao ser anunciada diversas vezes como atração principal da noite.

Batida embalou a "pista de dança" em que se transformou o Rec-Beat entre as 22h e a meia-noite com faixas populares no continente africano nas décadas de 1960 e 1970 - recorte estudado por ele ao montar repertório. "Meu nome é Pedro, eu não sou famoso, nem gosto de pedir que o público faça barulho", brincou o africano radicado em Portugal. Os recifenses puderam ouvir raridades, como os primeiros vinis prensados na África de 50 anos atrás.

DJ Batida pesquisa música consumida na África nos anos 1960 e 1970. Foto: Ariel Martini/Divulgação
DJ Batida pesquisa música consumida na África nos anos 1960 e 1970. Foto: Ariel Martini/Divulgação
O volume moderado de público, a segurança do posto policial montado no Cais da Alfândega e a boa escalação de artistas garantiram noite tranquila ao Rec-Beat, cuja realização no carnaval deste ano foi ameaçada no fim do ano passado, quando a Prefeitura do Recife reduziu pela metade os incentivos financeiros ao festival. Poucos incidentes, como furtos ou desentendimentos, chamaram a atenção dos presentes - houve um único momento de correria em meio à multidão, quando um grupo perseguiu rapaz suspeito de furtar os pertences de um deles.

A oferta de táxis ao fim da sequência de shows era razoável, embora muitos tenham partido em direção à Rua Tomazina, também no Bairro do Recife, onde o Profana Pub abriga, desde o sábado, as festas "after Rec-Beat." Nesta segunda, se apresentam no Cais da Alfândega Caravana Tapioca (17h), Sarah Blackbird (19h30), Sofia Freire (20h), Duda Brack (21h), Francisco, el Hombre (22h), Moh! Kouyaté (23h10) e Lira (0h30).

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.