• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Dado e Bonfá negam retorno da Legião Urbana Em comunicado oficial, os ex-integrantes da banda afirmam que não se trata de uma volta do grupo, que "acabou com a morte do Renato, em 1996"

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 03/09/2015 09:35 Atualizado em: 03/09/2015 09:51


Notícias do possível retorno causaram frisson nas redes sociais. Foto: Facebook/Reprodução
Notícias do possível retorno causaram frisson nas redes sociais. Foto: Facebook/Reprodução

Desde que uma turnê foi anunciada com a participação de Macelo Bonfá e Dado Villa-Lobos, iniciou-se uma especulação sobre um possível retorno da Legião Urbana. O grupo teria nos vocais o cantor André Frateschi e a participação dos músicos Lucas Vasconcellos, o baixista Mauro Berman e o tecladista Roberto Polo.

Uma suposta substituição de Renato Russo gerou repercussão pelas redes sociais, principalmente entre os fãs. De forma a esclarecer detalhes sobre a empreitada, Dado e Bonfá soltaram um comunicado no qual afirmam não se tratar de um retorno da banda, que “acabou junto com a morte de Renato, em 1996”. Em certo trecho, Renato é descrito como "único e insubstituível".

De acordo com os ex-integrantes da Legião, trata-se de um projeto comemorativo dos 30 anos de lançamento do primeiro disco da banda, que será remasterizado e ganhará material inédito. Na turnê, ainda sem data definida, Dado e Bonfá irão tocar o álbum de estreia, de 1985, na íntegra.

O disco trouxe sucessos como Será, Ainda é Cedo, Geração Coca-Cola, Soldados e Teorema. A sonoridade é influenciada pelas bandas inglesas da época, como Joy Division, The Smiths e The Cure.

Leia o comunicado de Dado e Bonfá:


Em 2014, enquanto atravessávamos o difícil processo judicial pelos nossos direitos sobre o nome da banda, acabamos achando - em comunicados como este - uma ferramenta clara de nos comunicar em forma direta com a imprensa e, principalmente, com os fãs da Legião Urbana.

Nesses comunicados dizíamos que, enquanto esse problema não fosse resolvido, não haveria nenhum lançamento da banda. Foi assim que, depois de termos nossos direitos reconhecidos pela justiça, recebemos da EMI - hoje parte da Universal Music - a proposta de lançar uma edição especial do nosso primeiro disco, também chamado de “Legião Urbana”, e originalmente lançado em 1985.

Surgia então o projeto “Legião Urbana - 30 Anos”. Edição especial que além de trazer o disco original remasterizado, vai trazer um outro disco contendo algumas pérolas e raridades cuidadosamente guardadas nos cofres da gravadora. Entre elas estão, por exemplo, as três músicas que a EMI nos convidou para gravar no Rio de Janeiro em 1983, quando éramos um trio de rapazes vindo de Brasília - ainda com o Renato tocando baixo e cantando! Este lançamento da EMI/Universal está previsto para final de 2015.

O processo de mexer com todas essas fitas, de ver aquelas fotos, de ler aqueles textos e, principalmente, de ouvir aquelas primeiras versões das nossas músicas, foi realmente emocionante. Tanto que acabou despertando a vontade de estarmos juntos tocando de novo.

Dessa vontade surgia uma segunda ideia: a de chamar alguns amigos e montar um show para tocar o nosso primeiro disco na íntegra. Mas, para evitar erros ou mal-entendidos, sentimos a necessidade de deixar bem claro que não existe possibilidade alguma de “volta” da Legião Urbana. Como já dissemos inúmeras vezes, a Legião - como banda - acabou junto com a morte do Renato, em 1996. E, ninguém pode substituir o Renato. Único e insubstituível.

Esse encontro onde vamos comemorar os 30 anos do nosso primeiro disco - tocando ele na íntegra - vai levar o nome do próprio disco, e será divulgado da seguinte forma: Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá em “Legião Urbana – 30 anos”

Como o Renato sempre dizia nos nossos shows: “A gente está aqui no palco, mas a verdadeira Legião Urbana são vocês”. Só que, desta vez, alguns de vocês vão estar no palco junto conosco!





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.