• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Curtas, longas e vídeos pernambucanos buscam ajuda na internet para sair do papel O financiamento colaborativo, ou crowdfunding, permite que qualquer pessoa ajude os filmes em troca de recompensas e nomes nos créditos

Publicado em: 30/06/2015 09:57 Atualizado em: 30/06/2015 16:40

"Rua Cuba" adota elementos de terror para mostrar festa em uma casa na ladeira. Foto: Fricção-científica/ Divulgação
"Rua Cuba" adota elementos de terror para mostrar festa em uma casa na ladeira. Foto: Fricção-científica/ Divulgação

Sistemas de financiamento colaborativo pela internet já são uma ferramenta consolidada no cinema pernambucano, principalmente em produções de baixo orçamento, como demonstra o número de novos projetos que têm surgido nos últimos meses. Também conhecido pela expressão em inglês crowdfunding, esse método de captação de recursos permite que qualquer pessoa ajude no financiamento de um filme, em troca de ter o nome incluído nos créditos, brindes (chamados de recompensas) e outras contrapartidas. Hoje, há pelo menos quatro projetos de cineastas pernambucanos abertos a doações.

A internet chegou para deixar tudo mais prático, mas rifas e outros tipos de campanhas colaborativas já existiam na produção cinematográfica pernambucana. Há 15 anos, por exemplo, a cineasta Cecília Araújo conseguiu finalizar o curta Todas las noches terminam en el Malecón (filmado em Cuba) por meio de doações de pessoas cujos nomes foram incluídos nos créditos finais do filme.

Na web, há sites que viabilizam o caminho de forma prática, como o Kickante, o Catarse e o Benfeitoria. Os responsáveis pelos projetos normalmente declaram quanto querem arrecadar e quanto já alcançaram. A meta de captação nem sempre é atingida, mas a repercussão funciona como ferramenta de divulgação, como ocorreu com o curta-metragem Soledad, da pernambucana Joana Gatis, cujo trailer já foi visto por mais de 5 mil pessoas no Youtube (com arrecadação de R$ 4,3 mil pelo Catarse, em campanha já encerrada).

No último Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), havia 460 projetos inscritos e só 112 foram selecionados. O financiamento colaborativo é uma alternativa para produtores que não querem depender de verbas públicas para produzir. É ideal, por exemplo, para cineastas iniciantes (apesar de haver cota para estreantes no Funcultura), pois currículos são avaliados pelas comissões de seleção dos editais e o mercado está cada vez mais profissionalizado e competitivo.

Josias Teófilo quer levar Olavo de Carvalho (ao fundo) às telas. Foto: Matheus Bazzo/Divulgação
Josias Teófilo quer levar Olavo de Carvalho (ao fundo) às telas. Foto: Matheus Bazzo/Divulgação


- Eles apostaram no crowdfunding:

"Decidimos fazer um crowdfunding para Rua Cuba porque não temos dinheiro para finalizar o curta (nós não contamos com nenhum tipo de financiamento) e também para cobrir os gastos de produção e pagar um cachê simbólico à equipe. Como é um filme muito simples em termos de produção (foi rodado todo onde moro) e a equipe é formada por amigos, decidi filmar antes de fazer o crowdfunding para já ter um material pra mostrar aos potenciais colaboradores. Tem sido uma experiência boa não só por causa do apoio que estamos recebendo, mas também porque estamos criando e estreitando muitos laços profissionais."
Filipe Marcena, diretor do curta Rua Cuba

"Nós optamos pelo financiamento coletivo primeiro porque seria incoerente com o pensamento e a vida do nosso personagem, Olavo de Carvalho, que nunca recebeu dinheiro do estado para nenhum dos tantos livros que produziu ou para os cursos que realizou. Ao mesmo tempo, um crowdfunding nos dá muita agilidade na produção, dado que não temos que lidar com a burocracia estatal para liberação de recursos, o que facilita o trabalho."
Josias Teófilo, diretor do documentário O jardim das aflições

- Cardápios de projetos

O JARDIM DAS AFLIÇÕES
:

Meta de captação: R$ 252,5 mil
O cineasta Josias Saraiva fará um documentário sobre o escritor, filósofo e ex-astrólogo Olavo de Carvalho. O longa-metragem O jardim das aflições deve retratar o atual cotidiano do pensador na sua casa em Colonial Heights (Virgínia, Estados Unidos, onde o filme será rodado), além de abordar dados biográficos e transmitir suas ideias especificamente sobre a "plenitude do conhecimento na plenitude da autoconsciência". A página oficial do projeto na internet já recebeu mais de 850 mil visitas e até agora foram captados mais de R$ 62 mil.

Link para colaborar:
ojardimdasaflicoes.com.br/


RUA CUBA:

Meta de captação: R$ 4 mil
Filmado por um grupo de cineastas formados em Cinema e Audiovisual pela UFPE, com participação de bailarinos da Cia Etc, Rua Cuba é um curta de ficção, com elementos de terror, que retrata uma noite de festa em uma casa localizada em uma ladeira, onde também está um misterioso inquilino recluso. Os personagens do filme são inspirados nos próprios atores. As filmagens já ocorreram e a campanha de financiamento colaborativo servirá para viabilizar a produção e pagar os cachês simbólicos da equipe.

Link para colaborar:
www.kickante.com.br/campanhas/rua-cuba-financie-nosso-filme


OBJETO VOADOR NÃO IDENTIFICADO
:

Meta de captação: R$ 4 mil
Com o curta de ficção Objeto voador não identificado, o diretor Cesar Castanha (estudante de jornalismo e crítico de cinema do blog Milos Morpha) pretende captar “as interações dos jovens de classe média da cidade do Recife, seus pequenos conflitos, hostilidades e a própria lógica que age nas suas relações de amizade”. A trama gira em torno de pizzas, musicais da Broadway, zumbis e extraterrestres. A inspiração para o projeto veio do desenho animado All the cats join in (1946), da Disney.

Link para colaborar:
www.kickante.com.br/campanhas/objeto-voador-nao-identificado


DOMINGOS:

Meta de captação: R$ 5,6 mil
Produzido pelo coletivo Toca o Terror, o filme Domingos será dirigido e protagonizado por Jota Bosco. O personagem
principal (Domingos) é um homem que tem uma vida repetitiva e aparentemente enfadonha, uma pessoa que não chama a atenção de ninguém, praticamente invisível. Uma reviravolta acontece quando os documentos dele são encontrados na rua por uma mulher chamada Rosinha, que descobre um terrível segredo quando resolve devolvê-los.

Link para colaborar:
www.kickante.com.br/campanhas/domingos



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.