• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Entrevista Ícone da guitarra, Steve Vai toca no Recife neste fim de semana. Confira entrevista Música apresenta sucessos da carreira e comemora 25 anos de disco clássico

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 17/06/2015 10:10 Atualizado em:


Steve Vai participou de filmes como A Encruzilhada, além de tocar no Whitesnake. Crédito: MetalConnection/Reprodução
Steve Vai participou de filmes como A Encruzilhada, além de tocar no Whitesnake. Crédito: MetalConnection/Reprodução

Desde que Jimi Hendrix incendiou a guitarra no palco do festival Monterey Pop, em 1967, a figura do guitarrista foi elevada a um patamar quase sobrenatural, sedutor e heróico. Apareceram no mundo diversos super heróis das seis cordas, em diversos estilos: Eddie Van Halen, Yngwie Malmsteen, Zakk Wylde, Joe Satriani. Nenhum, no entanto, conseguiu exprimir de forma tão arrebatadora o conceito do guitar hero, combinando virtuosismo no instrumento com uma postura excêntrica e esotérica, quanto o americano Steve Vai.

O grande público deve ter uma ideia vaga de quem é Steve Vai como o guitarrista que protagoniza, e perde, um duelo de guitarra para o eterno Karate kid, Ralph Macchio, no filme A encruzilhada (1986). Mas os amantes da música sabem que as caras e bocas, as roupas extravagantes e a guitarra Ibanez Evo são marcas registradas do guitarrista. O virtuosismo será apresentado no Recife, sábado (20), no Teatro Boa Vista, às 19h.

Grande parte do motivo que elevou Vai a objeto de culto é o disco Passion & warfare, o segundo da carreira solo, que faz 25 anos em 2015. O autor do disco conversou com o Correio/Diario sobre os planos para celebrar o aniversário do trabalho que virou espécie de bíblia para qualquer guitarrista de rock que se preze. “Devemos sair em turnê pela Europa e pelos Estados Unidos no ano que vem e tocar o álbum na íntegra”, revelou. O Brasil, por enquanto está fora da agenda. Antes de a brilhante carreira solo do novaiorquino começar, ele já tinha uma reputação de respeito no mundo do rock.

Após ter aulas na adolescência com Joe Satriani, Vai chamou a atenção, em 1979, aos 19 anos, de Frank Zappa, ao transcrever diversas das complexas composições, trabalho que o credenciou a fazer parte da banda de Zappa até 1982. Depois, vieram gigs com o Alcatrazz, onde ele substituiu Yngwie Malmsteen, com o super grupo de Dave Lee Roth - o super baixista Billy Sheehan também tocava no grupo - e com o Whitesnake, parceria que rendeu o elogiado disco Slip of the tongue (1990). “Tocar com essas bandas foi uma bênção, mas, hoje, criar um trabalho a partir dos meus próprios impulsos criativos é o que mais gosto de fazer”, explica.

Entrevista >> Steve Vai

Você já tocou com diversos artistas e bandas consagradas como Whitesnake, David Lee Roth e Frank Zappa, entre outros. O que achou da experiência e voltaria a trabalhar em uma banda novamente?

Quando eu toquei nessas bandas, eu não tinha muitas responsabilidades, então eu era muito livre para fazer o que quisesse. Porém, ser um band leader também é um grande aprendizado, pois eu controlo todos os aspectos do trabalho e, no momento, criar um álbum a partir dos meus próprios impulsos criativos é o que mais gosto de fazer. Tocar nessas bandas foi uma bênção mas, no momento, não há nenhum plano de voltar a essa situação, embora, se as condições fossem ideais, por que não?



Fale sobre os seus projetos atuais.
Recentemente, eu lancei o DVD Stillness in motion, que contém um show da turnê The story of light e um documentário bastante intimista sobre o dia a dia da turnê. No momento, estou trabalhando com os produtos do aniversário de 25 anos do disco Passion and warfare, que conterá um versão remasterizada do álbum e um DVD com bastidores e entrevistas da época da gravação do disco. Pretendo lançar isso no começo de 2016 e, depois, embarcar em uma turnê pelos Estados Unidos e Europa, onde tocaremos o disco na íntegra. Em agosto desse ano, também vou realizar o Vai Academy, no Colorado (EUA) — são clínicas com guitarristas convidados, como Eric Johnson, Sonny Landreth e Larry DiMarzio, que falarão sobre todos os aspectos de lidar com a guitarra, desde a sua construção até técnicas avançadas.


Serviço
Steve Vai - Alien Guitar Secrets Master Class
Quando: Sábado (20), às 19h
Onde: Teatro Boa Vista (rua Dom Bosco, 551, Boa Vista)
Ingressos: de R$ 150 a R$ 300 (meet and greet), à venda no ticketbrasil.com.br
Informações: 3034-0122

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.