• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Série global Amorteamo terá trilha sonora feita por pernambucano Juliano Holanda assina trilha sonora que ajuda a narrar a trama

Por: Fernanda Guerra - Diario de Pernambuco

Por: Larissa Lins - Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/05/2015 08:20 Atualizado em: 06/05/2015 10:50

Isadora Melo dará vida à cantora do bordel. Foto: Renato Rocha Miranda/TV Globo
Isadora Melo dará vida à cantora do bordel. Foto: Renato Rocha Miranda/TV Globo
Um único disco muda a vida de muitos músicos. No caso de Juliano Holanda, no sentido literal. Um exemplar do seu primeiro álbum, A arte de ser invisível, foi entregue pelo colega Geraldo Maia ao diretor e roteirista João Falcão, em encontro promovido pelo cantor e pianista Zé Manoel, em 2013. “Foi sorte”, define Juliano, que, dali em diante, ganhou espaço em trilhas sonoras da teledramaturgia nacional. Falcão aproveitou as faixas Imãs de geladeira e Farol na série Louco por elas, em 2012. E em dezembro passado, convidou o músico a produzir todas as canções do melodrama sobrenatural Amorteamo, que estreia nesta sexta, na TV Globo.

Em paralelo ao desenvolvimento do roteiro - que ainda era um esboço quando Juliano Holanda, João Falcão e Flávia Lacerda, diretora da trama, se reuniram pela primeira vez - foram feitas 70 músicas, das quais cerca de 30 estão na série. Três destas já integravam A arte de ser invisível, mas ganharam novas versões, incluindo a música de abertura, Altas madrugadas. As demais foram compostas especialmente para os personagens e situações. Juliano é uma espécie de compulsivo e tem cerca de 400 composições. “Nunca contei, mas é por aí”, ri. Para Amorteamo, Flávia Lacerda explica que, “além da trilha de acompanhamento de climas (BG), ele compôs os temas dos protagonistas e outros que ajudam a contar a história”.

Ambientado no Recife de 1900, o roteiro é escrito por Guel Arraes, Claudio Paiva e Newton Moreno, em torno de dois triângulos amorosos principais, envolvendo mortos-vivos e contatos sobrenaturais. “A trilha sonora tem extrema importância nesse ponto, como em poucas obras. É mais guiada pelo melodrama sobre amor e morte do que pelo tom assombrado”, define João Falcão, que vem finalizando a sonoplastia dos episódios ao lado de Flávia e Juliano. “Fizemos um levantamento histórico da cena musical do Recife daquela época, mas optamos por uma trilha menos documental. Acrescentei elementos caribenhos, boleros, referências estrangeiras, coisas novas”, explica Juliano. “Mas sem perder a identidade regional, pois essa é uma porta aberta a oportunidades futuras para a produção local”, reforça.



A vocação da música pernambucana para ambientar produções vem crescendo desde o início dos anos 2000, e costuma ser uma aposta nos trabalhos de João Falcão - como em O auto da Compadecida (minissérie de 1999 e filme de 2000, com trilha original do SaGrama), e no filme Lisbela e o prisioneiro (2003), com canções de Lirinha, Geraldo Maia e Clarice Falcão. “Há muito tempo Pernambuco deixou de ser só do manguebeat. Surgiu uma diversidade muito interessante. Escrevo um roteiro já pensando no tipo de música ou na faixa específica que quero”, comenta João, que também incluiu composições pernambucanas nas séries Clandestinos (2010) e Louco por elas (2012-2013), ambas da TV Globo.

>> AS MÚSICAS DELES // A música criada para...

Gabriel e Lena:
A música-tema dos personagens de Johnny Massaro e Arianne Botelho foi composta especialmente para a trama. Com a voz da atriz e cantora Laila Garin (do espetáculo Elis, o musical), a composição fala de um casal que nasceu um para outro e não quer se perder. Está dentro do contexto dos personagens. Gabriel é apaixonado por Lena, irmã de leite, mas está com casamento marcado com Malvina (Marina Ruy Barbosa).

Gabriel e Malvina:
A canção faz parte do álbum A arte de ser invisível, disco de estreia de Juliano Holanda. Com voz de Isadora Melo, a música é trilha sonora de Gabriel (Johnny Mascaro) e Malvina (Marina Ruy Barbosa). Ouriço fala de um romance complicado. Malvina é abandonada no altar por ele, que jura amor por Lena, e se joga da ponte. “Que descuido meu pisar nos teus espinhos”, diz trecho da letra.

Arlinda e Chico:
Farol, música tema dos personagens Arlinda (Letícia Sabatella) e Chico (Daniel Oliveira), já existia antes da série, mas ganhou nova versão com voz da própria intérprete, que canta quatro músicas. Chico é amante de Arlinda e é assassinado. A personagem vive solitária e infeliz devido à dor da ausência e enxerga no filho, Gabriel, a principal lembrança do amante.

Amorteamo é um melodrama sobrenatural, que será exibido às sextas. Foto: Paulo Belote/TV Globo
Amorteamo é um melodrama sobrenatural, que será exibido às sextas. Foto: Paulo Belote/TV Globo


>> TRILHAS SONORAS MADE IN PE

O auto da compadecida (1999):
A minissérie também teve produção musical de João Falcão em parceria com o grupo SaGrama, desde composições a sonoplastia. “João procurava um grupo de música da região que tivesse identificação com o tipo de obra de Ariano Suassuna. Queria algo mais cômico, com trejeitos nordestinos”, lembrou Sérgio Campelo. O grupo teve acesso a capítulos da produção para compor. Presepada, tema de João Grilo, ganhou mais evidência.

Clandestinos: O sonho não acabou (2010):
A série fala sobre jovens artistas. “Queria uma trilha bem contemporânea, em vários estilos”, contou João Falcão. A música Eu menti pra você, de Karina Buhr, por exemplo, era da personagem da atriz Chandelly Braz, uma menina oportunista, que inventava histórias para poder conseguir espaço. 
 
Louco por elas (2012-2013):
Apesar de não ser uma produção musical originalmente pernambucana, o seriado Louco por elas, de João Falcão, reunia algumas composições criadas no estado. Juliano Holanda, Geraldo Maia, Junio Barreto e Zé Manoel eram alguns artistas que tiveram composições associadas com os personagens. Do pianista, música Valsa da ilusão apareceu no episódio em que Bento pedia Theodora em namoro.





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.