• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Perda Morre, aos 74 anos, o Mestre Camarão Sanfoneiro era o último forrozeiro patrimônio vivo de Pernambuco

Publicado em: 21/04/2015 10:28 Atualizado em: 22/04/2015 09:35

Mestre Camarão ao lado do filho, o também forrozeiro Salatiel D'Camarão. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press
Mestre Camarão ao lado do filho, o também forrozeiro Salatiel D'Camarão. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Morreu nesta terça-feira no Recife, às 8h10, o forrozeiro Mestre Camarão. O instrumentista, compositor e acordeonista Reginaldo Alves Ferreira, de 74 anos, estava internado no Hospital Santa Joana desde a quinta-feira passada.

O filho dele, o também músico Salatiel D'Camarão, contou que o pai, que fazia hemodiálise há anos, havia sofrido uma infecção intestinal e foi hospitalizado para a realização de exames. Com problemas cardíacos, ele não teria resistido a uma queda de pressão e faleceu na manhã desta terça-feira, depois de o quadro de infecção ficar generalizado.

Mestre Camarão nasceu na Fazenda Velha, no município do Brejo da Madre de Deus, em Pernambuco, no dia 23 de junho de 1940. Ele era o último dos forrozeiros de Pernambuco que tinham o título de patrimônio vivo, ao lado de João Silva e Arlindo dos 8 Baixos, ambos falecidos no ano passado. O apelido veio no início da carreira artística, por meio de Jacinto Silva, apresentador de um programa da Rádio Difusora de Caruaru, ao qual o sanfoneiro chegou atrasado e com o rosto vermelho. "Chegou o camarão", teria dito o comunicador.

O sanfoneiro seria uma das atrações convidadas para a comemoração de um ano do museu Cais do Sertão, no Recife Antigo, no próximo domingo, 26 de abril, às 15h30. O grupo Bongar e atrações surpresas estarão na festa, em homenagem a Arlindo dos Oito Baixos (1942-2013), outro Patrimônio Vivo da sanfona falecido no ano retrasado. Ele também estaria na programação do projeto Acordeom na Noite, realizado no espaço cultural Nosso Quintal, no Prado, sempre nos últimos domingos do mês.

Autodidata, Camarão era professor e formou mais de 150 sanfoneiros, como Cezzinha e Targino Gondim. A última aula foi na terça-feira. A discografia tem 23 LPs e três CDs. Neste ano, seria lançado o primeiro DVD da carreira, gravado em show na Cachaçaria Carvalheira, na Imbiribeira.

O músico foi um dos entrevistados por Dominguinhos no documentário Milagre de Santa Luzia (2012), um passeio cultural pela produção artística dos sanfoneiros brasileiros.

Os primeiros passos foram dados na infância, ao tocar escondido com a sanfona do pai músicas famosas da época. Em 1960, começaria a trajetória artística propriamente dita, com o ingresso na Rádio Difusora de Caruaru, onde conviveu com Hermeto Pascoal, entre outros nomes da música. Criou o Trio Nortista, o primeiro conjunto musical dele. Em 1962, foi contratado pela gravadora Mocambo, pela qual estreou com o disco de 78 RPM Arrasta-pé no Jucá.

A técnica à frente da sanfona logo o transformaria em referência musical no Nordeste e no Brasil. Camarão é apontado como criador da primeira banda de forró do país e o pioneiro na introdução de metais nos conjuntos. No currículo, carregou a experiência de ter dirigido a orquestra sanfônica de forró de Caruaru, a primeira do gênero.

A REPERCUSSÃO

"E a sanfona silenciou... Descansa em paz Mestre Camarão".
Maciel Melo, cantor

"Camarão foi fazer forró no Céu. Uma pena que tenha nos deixado às vésperas do lançamento de seu primeiro DVD. É o segundo grande sanfoneiro a partir neste 2015. O outro foi Severo, que trabalhou com Elba Ramalho e Jackson. E a Cultura, cada dia mais pobre. Assim, como a política, sem Pedro e Manoel".
Xico Bezerra, compositor

"Camarão formou uma geração de sanfoneiros, como Beto Ortiz e Dudu do Acordeon. Era admirado também por Cezinha, Terezinha do Acordeon, Quartinha do Acordeon... Tive o prazer de viajar com ele e Arlindo, no projeto Brasil da Sanfona, em São Paulo. Uma grande perda".
Roberto Andrade, do projeto Confraria do Forró, amigo há mais de 25 anos

DISCOGRAFIA


(2000) Forrofando em Caruaru – independente - CD
(1998) Camarão plays forró – Nimbus/Records - CD
(1986) Camarão e o grupo mandacaru - Polygram/Memória - LP
(1984) Camarão ao molho de forró – Rozenblit/NIF - LP
(1983) Braz, pedacinho do norte – Rozenblit/NIF
(1981) A Bandinha do Camarão - Copacabana - LP
(1980) Casa de festejo - C.I.D/Itamaraty - LP
(1979) Bem ti vi atrevido – C.I.D/Itamaraty - LP
(1978) Na toca do Camarão - C.I.D/ Itamaraty - LP
(1976) Forró no palhoção - Camarão e Seu Acordeom - Tropicana/CBS - LP
(1975) Camarão ao vivo - Rozenblit/Passarela – Compacto Simples
(1974) Retrato de um forró – Rozenblit/A.M.G – LP
(1973) Camarão ao vivo – Rozenblit/passarela - LP
(1972) Com Camarão em todo canto tem forró – Rozenblit/passarela - LP
(1971) Camarão quente no São João– Rosenblit/ A.M.G – LP
(1970) Bandinha do Camarão - RCA Victor - LP
(1970) Los Marines embalo 70 – Continental/Musicolor – LP
(1969) Bandinha do Camarão - RCA Victor - LP
(1967) Nordeste "Cabra da peste" - Participação - Mocambo - LP
(1966) Viva São João - VOL. 4 - Mocambo - LP
(1965) Forró do Zé do Gato - Participação - Mocambo - LP
(1965) Trio Nortista –Rozemblit – LP
(1964) Lá vai brasa – Rozenblit/Mocambo – LP
(1963) Cabra da peste/Fungado bom - Mocambo - 78 rpm
(1962) Arrasta-pé no Jucá/Choradeira - Mocambo - 78 rpm

 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.