• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Literatura Conto de Machado de Assis que aponta o diabo como criador do mundo vira animação Em Adão e Eva, a história bíblica da criação do universo é subvertida por um dos personagens, cuja teoria credita ao tinhoso a origem da humanidade

Por: Fellipe Torres - Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/02/2015 11:42 Atualizado em: 24/02/2015 13:01

Credito: Dogs  Can Fly/divulgação
Credito: Dogs Can Fly/divulgação
Não faltam motivos para justificar a escolha de Machado de Assis como maior nome da literatura brasileira. Características como a ousadia e a ironia fina marcam a extensa obra do autor carioca e dão um verniz de atemporalidade a muitos textos. Em Adão e Eva, um dos 200 contos assinados por ele, a história bíblica da criação do mundo é subvertida por um dos personagens, cuja teoria credita ao diabo a origem da humanidade. Escrita há quase 120 anos, a narrativa foi recentemente transformada no curta-metragem de animação A ciência do bem e do mal, a ser exibida na TV Escola em meados de maio.

Com direção de arte do pernambucano Helder Santos, o vídeo é voltado para o público adolescente e faz parte de edital para adaptação de seis contos machadianos. Além da veiculação na tevê, o material é distribuído para escolas da rede pública e disponibilizado no site da emissora. “É muito legal o esforço de reaproximar o jovem da literatura, porque desfaz um grande trauma nascido na abordagem do tema pelos colégios. Ao ler por obrigação, o pessoal cria preconceito com histórias bacanas, como as de Machado”, opina o designer.

Em cinco meses, Helder cuidou de toda a estética do curta, desde as texturas, até o uso da luz e dos cenários. A primeira parte da animação se passa em um chá da tarde no fim do século 19, o que exigiu longa pesquisa para desenho da decoração, dos móveis e da arquitetura da época. Integrado à equipe da produtora paulista Dogs Can Fly, o artista gráfico revelou certo receio em lidar com tema tão controverso. “É um conto muito legal, que talvez soe polêmico para as pessoas mais religiosas. Sabíamos do risco, mas tivemos respaldo do canal de tevê. Como eles assumiram a ‘bronca’, a gente ficou à vontade para criar em cima de uma história tão bacana”.

Credito: Dogs  Can Fly/divulgação
Credito: Dogs Can Fly/divulgação


Para o professor e coordenador do curso de letras da Faculdade de Olinda, Neilton Limeira, adaptações audiovisuais de Machado de Assis têm excelente histórico, e costumam ser capazes de manter o tom irônico presente no comportamento e nas ações dos personagens. “A transposição de plataforma muda a perspectiva, mas a releitura vai muito de quem adapta. Independente disso, é fundamental para seduzir a nova geração de leitores, acostumada a combinar linguagens, sem deixar de ler obras imensas, como As crônicas de Nárnia e Harry Potter”. A princípio, o professor de teologia da Universidade Católica de Pernambuco Degislando Nóbrega não vê problema com a polêmica religiosa da animação. “Depende do contexto geral em que o tema é colocado. Assim como na literatura, há artifícios para expressar ideias diversas”.

Além de A ciência do bem e do mal, o projeto da TV Escola já viabilizou a criação dos curtas Miss Dólar, Apólogo, Aurora sem dia, Ideia de um canário e Tênis da hora, todos inspirados livremente na obra de Machado. Os três primeiros estão no ar no site da emissora (tvescola.mec.gov.br). “O fundamental é democratizar o acesso. Além de acessar o canal na internet, as instituições de ensino podem solicitar o envio de DVDs por correio ou a exibição dos vídeos nas salas de aula”, explica o coordenador de programação da TV Escola, Rodrigo Prado.

 
Credito: Dogs  Can Fly/divulgação
Credito: Dogs Can Fly/divulgação


+ curtas

Um apólogo



Rio de Janeiro, final do século 19. A capital do império vive conflitos, como a disputa entre a Agulha e a Linha para decidir qual das duas é mais importante na confecção de roupas. O embate ganha novos adeptos: Alfinete, Dedal, Tesoura e Fita Métrica.

Aurora sem dia



O jovem Luis Tinoco sonha em ser poeta. Como o ofício não garante salário, o pai dele lhe arranja emprego de redator em agência de publicidade. Entre reclames, blogs, jingles e rimas, o destino do rapaz será traçado, com a poesia do cotidiano.

Miss Dollar



Uma cadela de estimação procura namorado para sua solitária dona, Margarida. Na década de 1960, nas ruas do Rio de Janeiro, ela encontra dois pretendentes, dois amigos que disputam o coração da menina. O curta adapta conto escrito em 1870.

+ trecho do conto Adão e Eva, de Machado de Assis

Veloso continuou dizendo que no sexto dia foi criado o homem, e logo depois a mulher; ambos belos, mas sem alma, que o Tinhoso não podia dar, e só com ruins instintos. Deus infundiu-lhes a alma, com um sopro, e com outro os sentimentos nobres, puros e grandes. Nem parou nisso a misericórdia divina; fez brotar um jardim de delícias, e para ali os conduziu, investindo-os na posse de tudo. Um e outro caíram aos pés do Senhor, derramando lágrimas de gratidão. "Vivereis aqui", disse-lhe o Senhor, "e comereis de todos os frutos, menos o desta árvore, que é a da ciência do Bem e do Mal."

Adão e Eva ouviram submissos; e ficando sós, olharam um para o outro, admirados; não pareciam os mesmos. Eva, antes que Deus lhe infundisse os bons sentimentos, cogitava de armar um laço a Adão, e Adão tinha ímpetos de espancá-la. Agora, porém, embebiam-se na contemplação um do outro, ou na vista da natureza, que era esplêndida. Nunca até então viram ares tão puros, nem águas tão frescas, nem flores tão lindas e cheirosas, nem o sol tinha para nenhuma outra parte as mesmas torrentes de claridade. E dando as mãos percorreram tudo, a rir muito, nos primeiros dias, porque até então não sabiam rir. Não tinham a sensação do tempo. Não sentiam o peso da ociosidade; viviam da contemplação. De tarde iam ver morrer o sol e nascer a lua, e contar as estrelas, e raramente chegavam a mil, dava-lhes o sono e dormiam como dois anjos.%u200B


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.