• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Sociologia "Casa-grande e senzala" completa 80 anos com o mesmo vigor polêmico de quando foi lançado Livro quebrou barreiras ao aliar ciência e literatura, inovar no enfoque de infindáveis assuntos e na multiplicidade de fontes de informação sobre a realidade material e imaterial brasileira

Por: Fellipe Torres - Diario de Pernambuco

Publicado em: 01/12/2013 05:00 Atualizado em: 02/12/2013 11:03

 
Ilustração de Cícero Dias em Casa-Grande e Senzala/reprodução
Ilustração de Cícero Dias em Casa-Grande e Senzala/reprodução
A história do Brasil passou a ser contada de maneira diferente há 80 anos, quando um jovem e polêmico sociólogo revolucionou a interpretação do país. Lançado em 1º de dezembro de 1933, Casa-Grande e senzala, primeiro livro do pernambucano Gilberto Freyre (1900-1987), quebrou barreiras ao aliar ciência e literatura, inovar no enfoque de infindáveis assuntos e na multiplicidade de fontes de informação sobre a realidade material e imaterial brasileira. Deste domingo a quinta-feira, o Viver publica série de reportagens sobre um dos mais relevantes estudos sociais já escritos.
 
A cada roda de capoeira ou de samba, a cada prato de feijoada ou de bacalhau à Zé do Pipo,  a cada maracatu ou caboclinho, o Brasil reafirma a condição de miscigenado. Difícil é se assumir brasileiro e não deixar transparecer influências culturais as mais diversas, sobretudo de origens indígenas, portuguesas e africanas. Essa condição aparece escancarada em Casa-Grande & senzala, lançado há 80 anos, de modo a refletir como a mistura das raças se fundiu em uma identidade nacional.
Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação
Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação

Para o professor da UFPE Tiago de Melo Gomes, doutor em história pela Unicamp, a herança étnica mais relevante na visão de Freyre foi a negra. “Para ele, os africanos amoleceram e modificaram a herança que os portugueses trouxeram. Freyre acreditava que o Brasil é diferente porque os africanos releram as tradições europeias por seu próprio prisma, a começar pela religião católica, que aqui teria sido transformada em algo bem diferente do que se vê no resto do mundo”, diz o historiador.

Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação
Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação
A entrega da negra ao âmbito domiciliar, ressalta a antropóloga Fátima Quintas, amenizou as ‘asperezas’ do dia a dia patriarcal da casa-grande. “A categoria ‘infância’, por exemplo, não existia no sistema canavieiro: a criança era suportada até os sete anos; depois disso, o menino virava ‘menino-diabo’. E a fereza de uma dinâmica adultizante recebia da negra o afago necessário”. O próprio idioma português, destaca Fátima Quintas, teve essa influência.

Confira o retrato que o artista Romero Britto pintou em homenagem ao padrinho, Gilberto Freyre


“Segundo Freyre, a negra fez com as palavras o mesmo que com a comida. Retirou-lhes as espinhas, os ossos, as durezas, deixando somente a suavidade das sílabas moles — o dói passou a ser dodói; a bunda, bumbum; a criança recém-nascida, neném; o pai, papá; o sapato, papato. A duplicação das sílabas ameniza a fala, ofertando-lhe uma musicalidade de todo especial”.

Ainda hoje, lembra a antropóloga e presidente da Academia Pernambucana de Letras, o brasileiro muda a ordem pronominal imperativa em decorrência da súplica da negra (“me dê isso”, no lugar de “dê-me”, me “faça isso”, no lugar de “faça-me”). “O falar no Brasil tem forte influência da doçura africana”, diz.

ENCONTRO DE RAÇAS
Arte-DP
Arte-DP
Casa-Grande & senzala, na avaliação de Tiago de Melo, segue sendo o livro mais influente já escrito no Brasil. Construiu a imagem de que nossa cultura é fruto do encontro das culturas europeia, africana e indígena. “Freyre viu nossa particularidade exatamente nesse encontro”. A afirmação é ratificada pelo filósofo e doutor em teologia Inácio Strieder: “Freyre valoriza em Casa-Grande a miscigenação e a pluralidade racial. Esta tese ele defende não a partir de mitologias, mas a partir da realidade social e antropológica do povo”.

Com as suas teorias, diz Strieder, Freyre mostra visão otimista da miscigenação. “Os miscigenados não são inferiores, mas uma raça que possui os valores de várias outras. Os indígenas e os negros, por exemplo, nos legaram seu sistema de vida, sua linguagem, sua visão de mundo”.

“Da plasticidade do português, da sistemática cotidianidade da índia, da magia doméstica da negra”, diz Fátima Quintas, “o Brasil se enredou numa miscigenação saudável, que não se revela apenas étnica, mas transcende a barreira do racial para alargar-se em um caudal de variáveis indígenas, lusitanas, africanas”.

Gilberto Freyre, argumenta Inácio Strieder, foi o primeiro escritor a trazer autoestima ao povo brasileiro. “No Brasil não predomina uma raça inferior. Pelo contrário, somos um povo riquíssimo em potencialidades humanitárias e culturais. Ter sangue indígena,  africano e europeu é motivo de orgulho”.
 
Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação
Crédito: Fundação Gilberto Freyre/divulgação
 
A MARCA ANTI-RACISTA DE FREYRE 
 
Em dezembro de 1933, quando foi lançado Casa-Grande & senzala, ganhavam força na Europa as ideias de pureza racial defendidas pelo nacional-socialismo alemão ou, como nós o conhecemos, o nazismo. Ao contrário do proposto por Adolf Hitler, Gilberto Freyre creditava à mistura das raças a riqueza da cultura brasileira. Para o pesquisador Flávio Weinstein Teixeira, doutor em história pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, não se pode, no entanto, fazer a correlação entre Casa-Grande e a ideologia nazista.

“No início dos anos 1930, o ambiente intelectual brasileiro não tinha em seu horizonte de preocupações o nazismo ou a eugenia. Pelo menos nada que justificasse uma obra de fôlego”, explica. Por outro lado, ele acredita ser legítimo dizer que a obra de Freyre dialoga com alguns dos pressupostos que estão na origem da eugenia, na época tidos como científicos.

“Eram concepções racistas que, desde meados do século 19, haviam penetrado de maneira muito forte nos meios científicos e intelectuais brasileiros e, por espantoso que nos possa parecer, no início dos anos 1930 persistiam como traço relevante nas ‘explicações’ sobre o Brasil, sobretudo nas explicações acerca do ‘atraso’ brasileiro”.

Para o filósofo e doutor em teologia Inácio Strieder, várias ideologias defendiam um embranquecimento do povo brasileiro. “Nessa década de 1930, os diplomatas brasileiros, pode-se dizer em sua totalidade, eram brancos, e seguiam a orientação do governo de mostrar ao mundo que o Brasil era um país de brancos“. Casa-Grande e senzala surge na contramão desse pensamento, e mostra que a população era, em sua maioria, pluriracial, “fruto da miscigenação entre três vertentes sanguíneas: a branca, a negra e a indígena”.

“Frente a este futuro [mestiço] da humanidade, já real no Brasil”, destaca Inácio Strieder, “a política deveria promover a igualdade e se orientar por princípios que garantissem uma democracia racial”. Gilberto Freyre se propõe a fazer uma crítica radical aos “pressupostos racistas por fundamento” que eram direcionados ao Brasil.

“Daí sua incisiva insistência de que a questão a ser considerada era de natureza social e cultural. Não havia atraso, havia uma especificidade de formação histórica a ser conhecida e destacada”, comenta Flávio Weinstein. Uma das muitas ousadias de Casa-Grande, ele acrescenta, está em chamar atenção para a centralidade do negro na formação da sociedade brasileira.
 
E HOJE?
Entre as críticas recebidas por Freyre, sublinha Inácio Strieder, está a de ter diluído na obra a desumanidade do regime escravagista e do genocídio indígena pelos colonizadores, e propalado que o Brasil se formou na convivência harmoniosa de três raças, resultando dali a democracia racial brasileira.
 
“Freyre não afirma que o Brasil é uma democracia racial, mas vê no Brasil um chão propício para que a convivência entre os cidadãos brasileiros, de origem pluriracial e miscigenados, seja democrática. O que até hoje é um objetivo a ser conquistado. E somente quando isto for uma realidade teremos uma democracia racial.”
 
Embora tenham sido superados os pressupostos racistas que se entranharam nos meios intelectuais e científicos no Brasil, até hoje permanecem visíveis as desigualdades entre brancos e não-brancos. Não à toa, políticas públicas de afirmação, com a reserva de cotas em instituições de ensino, por exemplo, são carregadas de polêmica ao forçar, com o braço da lei, a igualdade racial.


36% é a diferença percentual entre a média salarial entre o trabalhador branco e não-branco (2013, Dieese)

59,9% da população carcerária brasileira é negra ou parda (2010, IBGE)

2,4 negros ou pardos são vítimas de homicídio no Brasil, em média, para cada não negro assassinado (2013, Ipea)

6,8 negros ou pardos são vítimas de homicídio em Pernambuco, em média, para cada não negro assassinado (2013, Ipea)


 


TAGS:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.