• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Fotografia Fotógrafo é premiado com série sobre arquitetura da capital modernista

Publicado em: 14/11/2013 16:44 Atualizado em: 14/11/2013 18:16

Museu Nacional da República. Foto: Andrew Prokos/Esp.CB
Museu Nacional da República. Foto: Andrew Prokos/Esp.CB
A diversão da infância de Andrew Prokos era construir edifícios com peças de Lego ou papelão e fantasiar sobre os prédios incríveis com os quais se deparava em livros e revistas. Crescido, não teve jeito: foi atrás das construções de verdade e acabou por adotar a fotografia de arquitetura como profissão. Radicado em Nova York desde os 22 anos, o fotógrafo americano ainda demoraria algumas décadas para desvendar um ícone da arquitetura. Foi somente aos 41 que Prokos descobriu Brasília. Em fevereiro de 2012, a convite de um amigo que cresceu na capital, o fotógrafo desembarcou no Planalto Central para conhecer a obra de Oscar Niemeyer. “Meu amigo achou que eu gostaria de fotografar a cidade e toda a arquitetura de Niemeyer”, conta.

O amigo acertou. Prokos passou uns dias tentando entender a dinâmica da cidade até sacar a câmera e começar a registrar. As longas exposições que conferem definições precisas às imagens são também trabalhosas, por isso o processo é lento. “Mas dá às fotos uma sensação muito agradável”, garante o fotógrafo. A série ganhou o nome de Brasília de Niemeyer e acabou premiada em segundo lugar na categoria Fotografia Noturna do International Photography Award deste ano. Recebeu ainda menção honrosa no Prix de la Photographie de Paris.

A câmera de Prokos é facilmente seduzida pelas curvas e espelhos d’água da cidade. Monumentos como o Museu Nacional da República, a Catedral, o Palácio Itamaraty e o Palácio do Planalto foram fotografados à noite. “Desde o começo, eu via essas fotos como arte, e não apenas como fotos de edifícios. Os edifícios de Niemeyer se prestam facilmente à fotografia de arte por causa de suas curvas sinuosas e devido ao fato de que ele era tanto um artista quanto um arquiteto. Eu costumo levar algum tempo para encontrar a perspectiva correta e uso longas exposições para coletar mais luz”, explica o fotógrafo. “Acho que Brasília é um lugar fascinante do ponto de vista visual, estético e histórico. Quanto mais eu leio sobre Niemeyer, mais torna-se evidente para mim a imensa influência que ele teve durante a sua longa vida na arquitetura da cidade. Já era uma tarefa difícil começar uma nova cidade como uma tela em branco, mas em seguida preenchê-la com tantas obras únicas e ainda mais surpreendentes! Acredito que não exista nada assim em nenhum outro lugar do mundo.” 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.