• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema "O canto do mar" completa 60 anos Lançado em 1953 no Cine São Luiz, filme de Alberto Cavalcanti, rodado em Pernambuco, ainda não recebeu a devida valorização no Brasil, apesar da consagração do cineasta na Inglaterra

Publicado em: 06/10/2013 11:32 Atualizado em: 07/10/2013 09:19

 (Portal de Cinema/Divulgação )


Há 60 anos, na primeira semana de outubro de 1953, foi lançado no Recife, em sessão no Cinema São Luiz, o filme O canto do mar. Filmado em Pernambuco, o longa-metragem foi dirigido por Alberto Cavalcanti (1897-1982), cineasta que merece um maior reconhecimento no Brasil e atualmente é mais valorizado na Inglaterra.

O canto do mar não está disponível em DVD e praticamente só pode ser assistido em versões clandestinas que circulam na internet ou em projeções cinematográficas esporádicas. No Recife, foi exibido pela última vez no ano passado, como parte das comemorações dos 60 anos do São Luiz. Cavalcanti nasceu no Rio de Janeiro e passou a maior parte da vida na Inglaterra, mas sua mãe era pernambucana. Sua paixão por Pernambuco o levou a realizar o filme, produzido pelo estúdio paulista Kino.

Antes de filmar no Recife, o diretor já era um cineasta consagrado na Inglaterra. Ele dirigiu, por exemplo, Nicholas Nickleby, considerada a melhor adaptação para o cinema de uma obra do escritor inglês Charles Dickens (vencedores do Oscar, como David Lean e Roman Polanski, não foram tão elogiados). Em 2012, um artigo da revista Sight and Sound o considerava mais importante do que Alfred Hitchcock para a produção cinematográfica inglesa. No ano passado, sua obra foi tema de uma retrospectiva em Londres.

O Porto do Recife, o Mercado da Madalena, o Bairro de São José, o Forte Orange de Itamaracá e o Hospital Infantil estão entre as locações que aparecem em O canto do mar. O filme também retrata manifestações foclóricas como o frevo, o maracatu nação, os caboclos de lança, a cantoria e o bumba-meu-boi, além de um ritual de Xangô.

O filme dividiu opiniões quando foi exibido no São Luiz. "Não há meio termo nas opiniões sobre O canto do mar", registrou o Diario de Pernambuco na edição de 7 de outubro de 1953. "A humanidade do filme é de uma força que excede o que antes emergiu da cinematografia nacional", elogia o artigo publicado na época.

"A vida de Alberto é um desencontro em relação ao Brasil. Em vida, ele foi insultado e depreciado no país", resgata o escritor e cineasta Fernando Monteiro, que foi amigo do diretor e tem sido um dos maiores defensores da revalorização de sua obra. Para ele, "o esquecimento de Alberto Cavalcanti é um escândalo".

O filme começa com o retrato da seca no Sertão, mas a narrativa está concentrada no litoral e no Recife, com ênfase na pobreza, na cultura e nas atividades da região portuária. A forma é clássica e na época foi considerada acadêmica demais por críticos como o cineasta Glauber Rocha, que se recusava a aceitá-lo como um antecessor do Cinema Novo (um dos problemas também seria uma certa visão do estrangeiro, manifestada principalmente na narração presente no prólogo).

O tom é realista, mas elementos fantásticos são sugeridos em uma cena que retrata o sonho de um personagem, onde fantasias e manifestações do carnaval viram um elemento surreal.

SAIBA MAIS:
- O deputado estadual José Santanna foi assassinado em frente ao Cinema São Luiz minutos antes da primeira projeção do filme, realizada à meia-noite de 3 de outubro de 1953, para convidados, com a presença de Alberto Cavalcanti. Espectadores que não gostaram do filme chegaram a dizer que o tiro deveria ter atingido o cineasta, como está descrito em artigo publicado no Diario de Pernambuco.
- O canto do mar ficou em cartaz no Recife no Cinema do Parque.
- Guerra Peixe é o autor da trilha sonora do filme. Hermilo Borba Filho escreveu o roteiro.
- O canto do mar ganhou o prêmio de melhor direção no festival de Karlovy Vary (República Tcheca) e concorreu à Palma de Ouro em Cannes (França)
- Alberto Cavalcanti produziu diversos filmes durante as vanguardas europeias.
- Além de Bertolt Brecht e Luís Buñuel estavam os amigos pessoais de Alberto Cavalcanti.
- Além de Nicholas Nickleby (1947),  Rien que les heures (1926) está entre suas maiores obras-primas.
- O canto do mar é uma refilmagem de En rade (1927), dirigido por Cavalcanti, filmado na França.
- 17 filmes de Alberto Cavalcanti foram exibidos em uma retrospectiva em 2002 em São Paulo

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.