Aniversários Programação especial é montada para comemorar 70 anos da Fundaj e 40 do Museu do Homem do Nordeste Um ano de exposições, seminários, oficinas e outras atividades abertas ao público vai marcar as celebrações

Publicado em: 12/03/2019 17:24 Atualizado em: 12/03/2019 17:41

Museu comemora quatro décadas de existência. Foto: Bernardo Dantas/Arquivo DP.
Museu comemora quatro décadas de existência. Foto: Bernardo Dantas/Arquivo DP.
No ano em que a instituição chega aos 70 anos e o Museu do Homem do Nordeste aos 40, a Fundação Joaquim Nabuco promoverá um ano de celebrações, com exposições, seminários, oficinas e outras atividades abertas ao público. Serão comemorados ainda os 119 anos do criador Gilberto Freyre, 80 anos do livro Assucar e 170 anos do patrono, Joaquim Nabuco. A programação tem início nesta sexta-feira (15), às 10h, com a exposição "Assucar", na sala Mauro Mota, em Casa Forte, Zona Norte do Recife.

Estreando na data de aniversário de Gilberto Freyre, "Assucar" homenageia a obra e resgata a sociologia do doce, dando a chance de o público experimentar e acompanhar de perto como se fazem as guloseimas mencionadas no livro, como doce de jaca, cocada, suspiro, quebra queixo e bolo de rolo. A primeira edição do livro Assucar ficará exposta na sala Mauro Mota. "O tema do açúcar palpita, nos causa vontade e foi escolhido para trazer a história que conversa com as relações de Gilberto Freyre com o público e com a criação da Fundaj há 70 anos", destaca o presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Alfredo Bertini.

A programação segue para o Cinema do Museu, às 19h, com a exibição dos quatro documentários da série Casa Grande e Senzala, de Nelson Pereira dos Santos, baseado no livro homônimo de Freyre. Lançado em 1998, o documentário tem narração do professor Edson Nery, amigo e biógrafo do autor e com participação de Vânia Terra, Gheuza Sena, Ellyne Peixoto e Helena Menezes.

A série faz uma leitura afetiva da grande obra de Gilberto Freyre. Tem 300 minutos de duração e será exibida em dois dias - 15 e 16 de março. Os dois primeiros episódios são “Gilberto Freyre, o Cabral moderno”, que fala sobre o próprio autor, comparando-o ao descobridor do Brasil por sua atividade intelectual, e “A cunhã de família brasileira”, que discute a contribuição do índio à formação brasileira. Na terceira parte, “O português, colonizador dos trópicos”, Freyre analisa as características do povo português e as influências na formação brasileira. Por fim, o último episódio, “O escravo negro na vida sexual e de família do brasileiro”, debate a participação africana na vida social brasileira.

Neste domingo (17), o Domingo dos Pequenos leva ao Museu do Homem do Nordeste, a partir das 9h, apresenta o tema açúcar numa abordagem infantil. "A ideia é que as crianças confeccionem seus próprios cadernos de receitas e conheçam diferentes tipos de doces, como o alfenim, a cocada e o doce de jaca", explica a coordenadora do Educativo do museu, Edna Silva.

O Seminário de Tropicologia da Fundaj volta a acontecer no dia 27, com a palestra “O olhar afetivo de Gilberto Freyre sobre Recife e Olinda”, pela escritora Fátima Quintas. O evento acontece na sala do Conselho Diretor, às 10h. O tema remete ao livro Olinda - 2º guia prático, histórico e sentimental de cidade brasileira, também escrito por Gilberto Freyre, que completa 80 anos de lançado neste ano, e ao aniversário das cidades-irmãs, celebrado nesta terça (12).
 
Segundo semestre

A Fundação Joaquim Nabuco começará o segundo semestre de 2019 com uma participação na Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte). De 3 a 14 de julho, um estande de 150m² será montado, sob coordenação do Museu do Homem do Nordeste, com representação das atividades da instituição. 

"Essa instalação servirá como mote para a ação promovida pela coordenação do Educativo do Muhne desenvolvendo junto ao público trabalho específico de mediação, com o propósito de tornar melhor conhecida a história e a finalidade da Fundaj aos longo dos seus 70 anos", destaca o coordenador do museu, Frederico Almeida.

No dia 21 de julho, data exata em que a Fundaj completa 70 anos e o museu chega aos 40 anos, serão lançado selos nacionais comemorativos. Um deles, sobre o aniversário de 170 anos de Joaquim nabuco, foi proposto pelos Correios. A Fundação lançará ainda estampas acerca dos 70 anos da Fundaj e dos 40 anos do Muhne. O evento será realizado no Engenho Massangana, no Cabo de santo Agostinho, local onde Nabuco viveu parte da infância.

Haverá ainda, em 22 de julho, a exposição e o lançamento do livro Muhne, 40 anos, 40 peças. Uma comissão escolheu 40 peças para representar o museu e traduzir uma cronologia de sua existência. Cada peça será acompanhada por um texto. Em 19 de agosto, data em que o patrono Joaquim Nabuco comemoraria 170 anos, será realizado um seminário em torno dos temas patronos, desenvolvimento regional e a reinserção da ciência econômica no contexto institucional.

Até 15 de março de 2020, dia em que Gilberto Freyre comemoraria 120 anos, a programação conta com lançamento de livros, mostras, aulas, palestras, oficinas. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.