INVESTIGAÇÃO Chega a 273 o número de ocorrências de agulhadas durante o carnaval

Publicado em: 11/03/2019 18:29 Atualizado em: 11/03/2019 18:35

Foto: Tarciso Augusto/Esp.DP.
Foto: Tarciso Augusto/Esp.DP.
Até esta segunda-feira (11), 273 pessoas deram entrada no Hospital Correia Picanço alegando terem sido furadas por agulhas durante as festas de carnaval no Recife e em Olinda. Todos os pacientes foram atendidos na unidade, referência estadual em doenças infecto-contagiosas.

Após triagem, 157 realizaram a profilaxia pós-exposição (PeP) para prevenir a infecção pelo HIV. Os demais se recusaram a fazer o teste rápido (pré-requisito para o uso da medicação), e, consequentemente, o tratamento; ou já tinham passado da janela de 72 horas preconizadas para início da medicação.

LEIA MAIS:


Vítimas de agulhadas no carnaval do Recife e de Olinda ajudam polícia na confecção de retrato falado

Polícia Civil vai investigar casos de ataques com agulha em Pernambuco

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, todos foram orientados a realizar o monitoramento de possíveis infecções no próprio Hospital Correia Picanço ou nos Serviços de Atenção Especializada (SAE) dos municípios de São Lourenço da Mata (Hospital e Maternidade Petronila Campos); Caruaru (UPA Vassoral), Pesqueira (Hospital Dr. Lídio Paraíba) e Serra Talhada (Hospital Professor Agamenon Magalhães - Hospam). "É importante ressaltar que os índices de transmissão por meio de picadas com agulhas infectadas são considerados baixos, em média 0,3%", informou a SES.

ENTENDA:

O que é a profilaxia pós-exposição?

A PEP é uma medida de prevenção de urgência à infecção pelo HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST)

Consiste no uso de medicamentos para reduzir o risco de adquirir essas infecções

Deve ser utilizada após qualquer situação em que exista risco de contágio, tais como violência sexual, relação sexual desprotegida, acidente com instrumentos perfurocortantes ou contato direto com material biológico

Como funciona?

Como profilaxia para o risco de infecção para o HIV, a PEP consiste no uso de medicamentos antirretrovirais

Deve ser iniciada o mais rápido possível - preferencialmente nas primeiras duas horas após a exposição e no máximo em até 72 horas

A duração da PEP é de 28 dias, aproximadamente, e a pessoa deve ser acompanhada pela equipe de saúde

Em Pernambuco, a unidade indicada é o Hospital Correia Picanço, localizado no bairro da Tamarineira, Zona Norte do Recife

Fonte: Ministério da Saúde




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.