'Ressaca' Operação pós-carnaval prende sete suspeitos por homicídios e tráfico de drogas

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/03/2019 12:11 Atualizado em: 11/03/2019 13:12

Detalhes da operação foram apresentados nesta segunda-feira. Foto: Polícia Civil de Pernambuco/Divulgação.
Detalhes da operação foram apresentados nesta segunda-feira. Foto: Polícia Civil de Pernambuco/Divulgação.
A Polícia Civil de Pernambucano anunciou o resultado de uma operação pós-carnaval, intitulada Ressaca, por meio da qual foram efetuadas as prisões de acusados de homicídios e envolvidos com tráfico de drogas que atuavam nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca.

Os delegados titulares do Cabo, Natasha Dolci, e de Ipojuca, Ney Luiz Rodrigues, além do delegado da seccional, Diogo Faria, falaram sobre as cinco prisões em flagrante delito, três cumprimentos de mandado de prisão e um auto de apreensão de flagrante de ato infracional.

No Cabo, foram detidos três traficantes que atuavam na praia de Itapuama, ao lado da própria residência onde trabalhavam comercializando pescados. São eles Antônio Carlos Sérgio de Santana, 24 anos, seu irmão Ricardo Sérgio de Santana, 22, e a esposa de Ricardo, Emily Loureine da Silva, 23.

Os homens ja tinham passagem pela policia, ao contrário da mulher. Foram apreendidos, no local, 48 big bigs e um tablet de maconha. O líder do grupo, conhecido pelo vulgo de Padeiro, chegou a ser apreendido antes do início da operação, mas foi libertado na ausência de custódia e segue foragido. 

Em Ipojuca, foram presos integrantes de dois grupos rivais traficantes: Gilberto José da Silva, 45 anos, vulgo Beto Rico, da Turma do Serrinha, que estava foragido desde 2017. Da organização criminosa denominada Trem-Bala, foi preso Matheus da Silva, 22 anos. No dia 28 de fevereiro, ele teria baleado um rival com três tiros na cabeça, mas a vítima sobreviveu e o denunciou. Ele foi preso em sua residência onde foi encontrada uma espingarda calibre 12. Na ocasião, foram presos também seu pai, José Manoel da Silva, 55, por ter assumido a posse da arma, e sua irmã de 17 anos por ter tentado esconder o revólver.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.