Carnaval Agremiação Boi Treloso leva mensagem de ressocialização ao Bairro do Recife

Publicado em: 28/02/2019 07:34 Atualizado em: 28/02/2019 07:36

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

O Bloco Boi Treloso, realizado pelas Casas de Semiliberdade (Casem) da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), desfilou na noite da quarta-feira (27), no Bairro do Recife. O evento, que teve concentração na Rua do Apolo e terminou no Marco Zero, contou com a participação de 50 adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, além de funcionários e ex-funcionários da instituição. 

O boi da edição 2019 foi customizado por socioeducandos durante oficinas realizadas na Casem Caruaru. Pela primeira vez desde que o bloco foi fundado, há sete anos, a alegoria deixou de lado a antiga estrutura de madeira e foi fabricada com papel machê, a partir de uma parceria com o artesão Antônio Alexandre da Silva, de Bezerros. Outra novidade é o hino do bloco, composto pelo batuqueiro Welliton Leandro, do Maracatu Fantástico A Cabra Alada. A letra faz menção à história do boi e ao Bairro do Recife, local do desfile.

"Foi dado o desafio de fazer uma letra que falasse de ressocialização, amor e festa. E acredito que o resultado foi muito positivo", destacou Welliton, que participou do desfile ao lado de outros integrantes do Maracatu A Cabra Alada, entre eles, a assessora técnica de Casas de Semiliberdade da Funase, Vitória Barros. "O bloco traz uma mensagem muito importante para a vida dos adolescentes: a de que eles podem ser reintegrados à sociedade, e a nossa cultura é uma ferramenta importante nesse processo", afirmou.

O evento nasceu por iniciativa de funcionários da Casem Caruaru e, com o tempo, ganhou a adesão de outros setores da Funase. Participaram da edição de 2019 adolescentes das Casas de Semiliberdade Caruaru, Garanhuns, Areias e Olinda, além de socioeducandas da Casem Santa Luzia, no Recife.

Secretário estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Sileno Guedes destacou que a iniciativa contribui no processo de ressocialização dos socioeducandos. “Esse momento de contato com a nossa cultura em uma festa tão tradicional para nosso Estado, que é o Carnaval, se integra com todo o processo de ressocialização que os pernambucanos estão passando nas unidades da Funase, com nossas atividades rotineiras, que envolvem oficinas e capacitações. É um momento de contato, mesmo que distante, com outro público e reintegração com a sociedade”, comentou o gestor.

Para a presidente da Funase, Nadja Alencar, o sétimo ano de desfile do Boi Treloso mostrou a alegria e a integração existentes na instituição. "Temos a felicidade de curtir, todos os anos, esse momento saudável, em que nossos meninos e meninas se confraternizam. Para que isso aconteça, é muito importante o apoio que temos dos técnicos, agentes socioeducativos, demais funcionários e parceiros", declarou.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.