Folia Afoxés e maracatus abrem alas para o carnaval do Recife nesta quinta

Publicado em: 27/02/2019 10:20 Atualizado em: 27/02/2019 10:47

Foto: Bruno Campos/PCR/Divulgação.
Foto: Bruno Campos/PCR/Divulgação.
O Recife se despede das prévias carnavalescas nesta quinta-feira (28) com pedidos de proteção e desejos de purificação através da cerimônia Ubuntu - Uma Consagração ao Povo Negro. Uma apoteose com lavagem simbólica do Marco Zero com águas sagradas, realizada pelos 24 afoxés que integram a programação oficial do carnaval do Recife, vai dar abrir os caminhos para a festa.

Após a cerimônia, que pede bênçãos para o carnaval, o Marco Zero vira palco do espetáculo Tumaraca – Encontro de Nações, que encerra oficialmente as atividades pré-carnavalescas da capital pernambucana. A partir das 7h, representantes dos 24 grupos que integram o tradicional encontro de afoxés que movimenta o Pátio do Terço na segunda de carnaval se reúnem no Pátio de São Pedro, onde irão preparar o Amaci/Omi Eró (banho com ervas), feito pelos babalorixás e ialorixás.

Segundo as tradições míticas dos cultos de influência Nagô (Ioruba), as águas, mais conhecidas como Omi dentro das Comunidades de Terreiro, se constituem em elemento fundamental na gênese da vida. Seus sentidos estão ligados à fertilidade, manutenção, renovação e principalmente a purificação. Quando essas águas são misturadas às ewé (folhas sagradas), que atuam como elemento propiciatório dentro dos rituais de matriz africana sacralizando e catalisando o axé.

Às 16h, o cortejo dos 24 grupos parte da altura da Rua Mariz e Barros rumo ao Marco Zero e abre os caminhos para os foliões, evocando bênçãos para a festa do carnaval. Com a chegada no Marco Zero, há a lavagem do quilômetro inicial da cidade sob os batuques dos 20 afoxés que sobem a rampa do palco com a missão de entoar os cânticos para os orixás com a mensagem de paz e amor para o carnaval 2019 da cidade.

O Marco Zero vira palco, às 18h, para o Tumaraca – Encontro de Nações, espetáculo que reúne 12 agremiações de Maracatu de Baque Virado e 700 batuqueiros no coração dos festejos de Momo. No palco, os 12 mestres irão fazer uma autorregência com participações do Coral Voz Nagô, do Cordel do Fogo Encantado, Orquestra Criança Cidadã e do grupo Daruê Malungo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.