Reeducandos Case Pirapama recebe primeiro curso profissionalizante

Publicado em: 22/02/2019 16:16 Atualizado em: 22/02/2019 16:18

Crédito: Funase
Crédito: Funase

Com um mês de operação completado nesta semana, o Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho, está realizando o primeiro curso profissionalizante para os adolescentes atendidos na unidade. Nas aulas de Eletrônica Básica, que começaram nesta sexta-feira (22), estão inseridos 25 alunos. Quando todo o conteúdo tiver sido ministrado, os socioeducandos receberão certificados emitidos pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), parceiro da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase).

Nas aulas, os socioeducandos aprendem a soldar e a retirar componentes eletrônicos de placas de computadores, podendo reaproveitar o material para a criação de novos projetos. O curso tem carga horária de 18 horas/aula e é ministrado pelo instrutor Higino Filho, do Eixo Profissionalização, Esporte, Cultura e Lazer da Funase.

O conteúdo é diferenciado por atender a um ramo de atividade para o qual há necessidade de mão de obra no mercado. "Os socioeducandos que concluírem essa formação poderão passar para o curso de Introdução à Automação e depois para o Curso de Automação Eletroeletrônica. Trata-se de uma área estratégica que estamos explorando", avalia o coordenador do Eixo Profissionalização da Funase, Normando Albuquerque.

O Case Pirapama foi entregue em 29 de dezembro de 2018 e teve a operação iniciada em janeiro de 2019. Atualmente, o local conta com 30 adolescentes, que têm preenchido gradualmente os espaços da unidade, cuja capacidade é para 72 socioeducandos. Para a coordenadora geral do Case Pirapama, Andréa Galdino, a realização do curso representa uma parte essencial do processo socioeducativo. "Nós que compomos a equipe do Case Pirapama entendemos que o início desse processo de curso profissionalizante é de extrema importância para a socioeducação. Estamos superando as barreiras que historicamente impediam a inclusão desses adolescentes e contribuindo para a construção de um novo projeto de vida", afirma.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.