Periferia Passinho, brega, funk, frevo estarão presentes na abertura do Carnaval do Recife

Por: Rosália Vasconcelos

Publicado em: 14/02/2019 20:01 Atualizado em: 14/02/2019 20:03

Espetáculo reúne cem bailarinos e músicos, com protagonismo de grupos das comunidades do Recife. Foto: Andréa Rêgo Barros/Prefeitura do Recife.
Espetáculo reúne cem bailarinos e músicos, com protagonismo de grupos das comunidades do Recife. Foto: Andréa Rêgo Barros/Prefeitura do Recife.
Com o escanteamento do encontro de maracatus durante a abertura do Carnaval do Recife, que foi uma das lutas do percussionista Naná Vasconcelos por muitos anos, a Prefeitura do Recife está investindo em espetáculos que tenham o mesmo apelo identitário e cultural do carnaval pernambucano. Para este ano, a abertura da Festa de Momo recifense trará o espetáculo O Carnaval de Todo Mundo, em que a cultura e a diversidade das periferias da capital pernambucana serão o foco da festa. Com 1h20 de duração, o objetivo da apresentação é fazer com que o folião faça um passeio por ritmos como o maracatu, o brega, o brega funk, o próprio frevo e o samba, todos oriundos das regiões marginalizadas da cidade. 

“O meu objetivo na criação dessa abertura foi colocar a cidade inteira como protagonista. Projetos sociais estão inclusos na abertura e que trabalham com a projeção de excelência das linguagens que serão apresentadas. Eu garanto que serão uma explosão cultural, como é a cidade do Recife, com um padrão técnico elevadíssimo e com inclusão social. Porque vai ter cadeirante, terão as pessoas portadoras de síndrome de down, todos bailarinos profissionais”, adiantou o diretor geral e artístico de O Carnaval de Todo Mundo, Dielson Pessoa de Melo, bailarino e coreógrafo que já integrou renomadas companhias, como a de Deborah Colker. 

Para garantir a contemplação de todos os estilos recifenses, a apresentação será dividida em seis blocos. O primeiro será o Caldeirão Afro Brasileiro, que trará a cultura de matriz africana e a profunda influência que ela teve na formação da identidade nacional, através dos bailarinos do Magê Molê e do Balé Afro Raízes. Em seguida, terá o bloco Festa na Periferia, embalado pelo brega e pelo funk nas vozes de Michelle Mello, Kelvis Duran, Victor Santos e Priscila Senna (Musa). A terceira cena do espetáculo foi intitulada de Rolezinho do Compaz e contará com a participação de alunos das duas unidades do Compaz, embalados pela voz de MC Bruninho e Zé Brown. O espetáculo ainda contará com os blocos Delírios Tecnológicos, Carnaval de Gigantes e Batalha de Rua, este último em alusão às origens do frevo. 

A direção musical é assinada pelo músico e produtor César Michiles, filho de um dos mais emblemáticos compositores pernambucanos, J. Michiles. “Minha orquestra, a Transversal Frevo Orquestra, fará a base musical da apresentação. No primeiro bloco, ainda teremos Lucas dos Prazeres e Jerimun de Olinda comandando as percussões”, contou César. Cada um dos seis blocos terá entre 15 e 20 bailarinos atuando, além dos músicos. A abertura do Carnaval do Recife será no palco principal da folia, o Marco Zero, no dia primeiro de março, no Bairro do Recife. 

“A abertura está sendo construída pela própria população. Os ensaios estão acontecendo aqui no Compaz com Dielson e César Michiles, que produziram tudo com total liberdade, mostrando a força e diversidade da nossa cultura. Os tipos de dança diferente que o recifense gosta de fazer em todas as épocas do ano e tudo estará representado no palco do Marco Zero, na abertura do Carnaval. Será uma grande surpresa para a população, será muito bonito e todomundo vai vibrar com essa abertura, que será marcante para a história do Carnaval do Recife. É o clima do povo e da rua. Os criadores conhecem nossas comunidades. Com certeza todomundo vai vibrar com a abertura desse Carnaval”, disse o prefeito do Recife, Geraldo Julio. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.