Polícia Artesão de Passira foi assassinado pelo sobrinho Marcílio Santana, de 22 anos, teria matado o tio por motivações financeiras

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 13/02/2019 12:30 Atualizado em: 13/02/2019 14:12

Polícia apresentou detalhes sobre o caso nesta quarta-feira (13). Foto: Anamaria Nascimento/DP.
Polícia apresentou detalhes sobre o caso nesta quarta-feira (13). Foto: Anamaria Nascimento/DP.
O artesão de Passira Josivan Santana da Silva, o Dodinha, 38 anos, assassinado no último dia 6, foi morto pelo sobrinho, o suspeito de tráfico de drogas Marcílio Barbosa de Santana, 22 anos. Dodinha era conhecido nacionalmente por ser um dos poucos homens que fazia bordado no município do Agreste, a 78,5 quilômetros do Recife.

De acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, que apresentou os detalhes do caso nesta quarta-feira (13), Marcílio é de Natal (RN) e passou a morar na casa do tio em dezembro do ano passado. Josivan o abrigou em Passira, mas pediu que saísse da casa em janeiro deste ano, depois de descobrir que o sobrinho estava envolvido com tráfico de drogas no Agreste do estado. Testemunhas contaram à polícia que Marcílio comprava entorpecentes em Caruaru e distribuía em Passira e cidades vizinhas.

No dia 6 deste mês, Marcílio teria voltado à casa do tio. A polícia atribui a ele a autoria do crime. Josivan foi morto por asfixia. "O suspeito usou um travesseiro para sufocar o tio. Ele, que é habilidoso em fazer nós, amarrou Josivan com os braços para trás. Além disso, tirou a roupa da vítima para dar uma conotação sexual ao crime", afirmou o delegado titular de Passira, Paulo Roberto Amorim.

O suspeito é natural de Natal (RN) e morou com o tio por um mês. Foto: Polícia Civil/Divulgação.
O suspeito é natural de Natal (RN) e morou com o tio por um mês. Foto: Polícia Civil/Divulgação.
A motivação real do crime, porém, foi financeira, segundo as investigações. Josivan, de acordo com depoimentos colhidos pela Polícia, não confiava em instituições bancárias e costumava guardar dinheiro em casa. O sobrinho sabia disso. A vítima tinha R$ 10,5 mil na residência no dia do crime, valor que seria usado para uma viagem a São Paulo. Também desapareceram da casa um notebook e um aparelho celular. Os equipamentos e o dinheiro não foram encontrados com Marcílio, preso nessa terça-feira (12). A Polícia procura ainda um segundo suspeito, que pode ser participado do crime e ajudado no latrocínio.

Além de responder por latrocínio, Marcílio vai responder por tráfico de drogas. Quando o mandado de prisão preventiva pelo roubo seguido de morte estava sendo cumprido, em um imóvel de Passira, onde o suspeito estava, os investigadores encontraram 12 porções de cocaína e papéis de seda – geralmente usados para embrulhar drogas. “Ele confessou ser dono da droga, mas afirmou ser usuário. Disso que não ia comercializá-la. Sobre a morte do tio, o suspeito também nega”, disse o delegado.

Provas contundentes, porém, confirmam a participação de Marcílio no crime, de acordo com o investigador. “Uma sandália de cor marrom do suspeito e um relógio também dele foram encontrados na casa onde o crime aconteceu. Além disso, a camisa usada para amarrar a vítima pertencia ao suspeito”, pontuou Paulo Roberto. Segundo o delegado, a Polícia Civil do Rio Grande do Norte foi acionada para ajudar a investigar outros dois homicídios que também teriam sido praticados por Marcílio. “Ele contou a uma parente que havia matado duas pessoas em Natal. Esse, inclusive, seria o motivo da mudança para Passira”, esclareceu o delegado.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.