Morte súbita Soldado da PM morre durante treinamento da corporação

Publicado em: 06/02/2019 20:03 Atualizado em: 06/02/2019 20:32

Um policial militar morreu na tarde desta quarta-feira (06) durante treinamento que exige transposição de curso d'água, que estava sendo realizado na Ilha do Fogo, no limite entre Petrolina e Juazeiro (BA), no sertão do estado. O soldado Luciano Souza Menezes, que era vinculado ao Batalhão de Operações Especiais (BOPE) da PMPE, realizava em caráter de especialização o Curso Intensivo de Operações de Sobrevivência em Área de Caatinga (CIOSAC), do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (BEPI). A PMPE lamentou a morte do funcionário da corporação. 

Segundo a coordenação do curso, o aluno, como todos os demais, passou por um teste realizado na véspera do exercício, onde foi avaliado que tinha condições de participar da atividade. No entanto, quase ao término do percurso de transposição, o soldado sentiu cansaço e pediu uma boia. "De pronto foi entregue por uma equipe dos Bombeiros que acompanhava a movimentação. Em um dado momento, ele desfaleceu, sendo retirado de imediato da água", disse a nota da Polícia Militar. 

Um enfermeiro e os bombeiros fizeram todos os procedimentos previstos para esse tipo de mal súbito, enquanto aguardava uma UTI Móvel, acionada pelos instrutores. Com a chegada dos médicos, foi usado um desfibrilador, mas o recurso não foi o bastante para reanimá-lo, sendo declarado o óbito minutos depois.

"A corporação destaca que nenhuma medida preventiva deixou de ser tomada. Além da equipe técnica composta por quatro instrutores do BEPI que acompanhava a travessia, o policial recebia o acompanhamento de um enfermeiro socorrista do SAMU e oito bombeiros, sendo um oficial e sete praças, distribuídos em três embarcações e uma motonáutica (Jet Ski). Já foram realizados outros 26 cursos CIOSAC, envolvendo cerca de 400 alunos, e em todos os integrantes foram submetidos a exames médicos e testes físicos, sem que jamais tenha sido registrada fatalidade semelhante. Mesmo assim, o Comando da Corporação determinou abertura de sindicância para que se apure as circunstâncias em que tudo aconteceu e orientou para que a família do policial receba total apoio nesse momento de dor", continuou a nota.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.