Piedade Pessoas idosas eram as principais vítimas de golpe aplicado em agência da CEF Trio de São Paulo foi preso após passar cercar de dois anos atuando em Pernambuco

Publicado em: 05/02/2019 13:55 Atualizado em: 05/02/2019 14:06

Polícia orientou pessoas a não fornecerem cartão e esconderem senhas. Foto: PCPE/divulgação
Polícia orientou pessoas a não fornecerem cartão e esconderem senhas. Foto: PCPE/divulgação
Três homens de São Paulo, no Sul do país, foram presos pela equipe da Delegacia de Piedade, na Região Metropolitana do Recife, acusados de aplicar golpes nos caixas eletrônicos de uma agência da Caixa Econômica Federal daquele município. As principais vítimas eram pessoas idosas. O trio contava com uma falha do banco para viciar os caixas. Dessa forma, o cliente não conseguia completar a operação bancária e pedia ajuda. Eles, então, estavam sempre por perto para “ajudar”. Por dois anos, praticaram o crime. Ao delegado Augusto de Castro, disseram escolher Pernambuco por se tratar de uma terra de “gente besta”.

Cada um deles tinha uma participação no crime. Valdeci Gomes “viciava” o caixa eletrônico, se aproximava para ajudar e via a senha. Francisco Maiolo também ajudava as vítimas e fazia a troca do cartão. Em seguida, os dados e o cartão eram passados para Wesley Maiolo, filho de Francisco, responsável por fazer o saque. O delegado deixou claro que nenhum deles se passava por funcionário do banco. Apenas se mostravam gentis e seguiam praticando o golpe. Depois que praticavam o crime, eles voltavam para São Paulo, o que dificultou a identificação por parte da gerência da agência.

A polícia chamou a atenção para os cuidados na hora do saque para evitar cair em golpes como esse. Se a pessoa é idosa, é importante ir ao banco acompanhada. Também não é recomendado fornecer o cartão a estranhos e deve-se sempre procurar esconder a senha na hora de digitar. Eles vão responder por furto qualificado mediante fraude e associação criminosa. A polícia encontrou com os acusados três cartões de banco e mais de R$ 5 mil.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.