POLÍCIA Polícia apreende quadrilha de falsos policiais civis

Publicado em: 05/02/2019 12:23 Atualizado em: 05/02/2019 12:34

Delegado José Custódio - Titular DP de Jaboatão. Foto: Divulgação Polícia Civil
Delegado José Custódio - Titular DP de Jaboatão. Foto: Divulgação Polícia Civil

Uma falsa delegacia especializada. Pelo menos 10 falsos policiais. Na manhã desta terça (5), a Polícia Civil anunciou a prisão, em flagrante, de quatro homens que se identificavam como policiais e apresentavam distintivos e carteiras funcionais falsas. As investigações continuam para que o restante da quadrilha, que atuava há cerca de uma semana e meia nas dependências do Supermercado Assaí, no Jaboatão, seja identificada.

Rafael Barros Lourenço da Silva, Ericson Ferreira da Silva, Wellingson Lucindo da Silva e José Maria da Silva, foram presos em flagrante por policiais da equipe da Delegacia de Piedade, coordenados pelo delegado José Custódio, pelos crimes de falsificação do selo ou sinal público, associação criminosa e usurpação de função pública. O objetivo era auferir vantagens e usando a falsa finalidade do combate aos atos infracionais cometidos por crianças e adolescentes.

O delegado titular de Jaboatão, José Custódio, conta que tomou conhecimento do caso na tarde do dia 31 de janeiro, quando soube que eles se apresentavam como policiais usando distintivos, carteiras funcionais com brasões e símbolos, logomarcas da administração pública, faziam uso de algemas, fardamento, boné e ainda praticavam atos de polícia. Os falsos policiais se identificavam como sendo da nova delegacia especializada de Defesa e Proteção do Direito da Criança e do Adolescente (DPDCA), apresentando seus distintivos onde se discriminavam os cargos de: Agente e Comissário de proteção de menor. Eles faziam rondas em veículos alegando dar apoio no combate à criminalidade e no enfrentamento aos atos infracionais cometidos pelos adolescentes; realizavam fiscalizações de forma ostensiva, onde alguns dos autores usavam seus distintivos e
outros usando o fardamento de cor preta. Em cima da casa do chamado líder do grupo, o José Maria, no primeiro andar, existe uma fachada onde se lê “DPDCA”, a que ele chama de ONG. José Maria é reincidente e se autointitula comissário de proteção de menor.

O delegado conta que eles almoçavam no refeitório do supermercado Assaí e ainda solicitavam cestas básicas. “A coisa ficou tão exagerada que os clientes foram procurar a direção do supermercado para saber porque a polícia civil estava fazendo fiscalizações de rotina no estabelecimento. E se, por acaso, a civil fazia segurança privada”, contou. Eles ainda faziam rondas em carros descaracterizados – um Ford KA e um Voyage – dizendo serem viaturas descaracterizadas nos arredores do estabelecimento.

Os falsos policiais ostentavam distintivos e carteiras funcionais. Um deles portava fardamento preto completo, com insígnias da administração pública. Com isso, incorreram nos crimes de falsidade de selo e sinal público, associação criminosa e usurpação da função pública. 

O delegado solicita o auxílio da população para que se identifique o restante do grupo. Segundo denúncias,  existe uma mulher de baixa estatura, cabelo curto, loira e que se autointitula Delegada de Polícia de menor. “Soubemos que o grupo chega a aproximadamente 10 agentes de ´proteção de menor'. Informalmente, entretanto, um deles chegou a comentar que ultrapassa mais de 20 integrantes. Pedimos à população, então, que, identificando qualquer um deles, procure a delegacia de Piedade para que possamos apreender o restante da quadrilha”, solicita. 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.