Saúde Missa no Imip inicia celebrações do centenário de Fernando Figueira

Publicado em: 04/02/2019 08:49 Atualizado em: 05/02/2019 07:32

Imip foi um dos legados de Fernando Figueira para Pernambuco.
Imip foi um dos legados de Fernando Figueira para Pernambuco.


Um hospital-escola referência no país, muitos admiradores e milhares de pacientes gratos. A memória e o legado do professor e médico Fernando Figueira, que completaria 100 nesta segunda-feira (4), são longos. Para reverenciar essa história, o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) iniciou uma série de eventos comemorativos que deve durar todo o ano. O primeiro deles foi uma missa celebrada pelo bispo auxiliar a Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Limacêdo Antônio da Silva. Ainda nesta semana, haverá na próxima quarta-feira, às 10h, o lançamento do Selo Especial Fernando Figueira, em parceria com os Correios, em solenidade na Sala de Defesa de Tese do Instituto.

Fernando Figueira se formou pela Faculdade de Medicina do Recife, em 1940, e iniciou sua vida profissional como clínico geral em Quebrângulo, interior de Alagoas, onde permaneceu até o ano de 1948. Passou por São Paulo, onde foi professor-assistente da Universidade de São Paulo, antes de ser professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Foi em solo pernambucano onde fez morada e deixou feitos para a medicina brasileira. Foi pioneiro na elaboração de um Plano de Saúde para Pernambuco. E fundou o Imip, em 1960.

“O professor Fernando Figueira deixou um legado de atitudes em relação aos mais humildes, a missão de que não podemos deixar de atendê-los, de que eles merecem todo o nosso respeito e dedicação. Essa foi a filosofia de vida e trabalho dele, que a gente passa para todas as gerações que vieram depois. Como hospital-escola, além de ensinar as técnicas, ensinamos a parte humana”, afirmou a presidente do Imip, Silvia Rissin. De acordo com ela, Figueira entendia o paciente de acordo com o seu entorno, suas condições de vida e moradia, não apenas pela questão da doença. “Por isso, o Imip tem essa mística de que resolve os males da população”, complementou.

Nesta terça-feira, às 9h, o centenário de Figueira será lembrado em reunião da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe). Na quarta-feira, acontece o lançamento do selo comemorativo. Ainda neste mês, acontece uma celebração na Academia Pernambucana de Letras, no próximo dia 11. Também integram as comemorações o Congresso da Sociedade de Pediatria de Pernambuco, que homenageará o professor na edição deste ano, que acontece entre os dias 27 e 30 de março; homenagens do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe), também previstas para acontecer em março; homenagem da Academia Pernambucana de Medicina e no Congresso Nacional. Em outubro, está previsto o lançamento do livro Fernando Figueira, o educador.

Dentre os outros feitos de Fernando Figueira, destacam-se a criação da primeira Regional de Saúde, criação do primeiro Código Sanitário de Pernambuco, criação da Fundação de Saúde Amaury de Medeiros (CISAM), reestruturação do Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (LAFEPE) e criação do Centro de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (HEMOPE). Ele foi ainda Presidente da Sociedade de Medicina de Pernambuco e, em 1970, fundou com outros colegas a Academia Pernambucana de Medicina. Ele faleceu no dia 01 de abril de 2003, aos 84 anos.

Em um ano, 18 mil cirurgias realizadas no Imip

Uma das obras mais emblemáticas de Figueira para a saúde pernambucana, o Imip fechou o ano de 2018 com números expressivos. O complexo, que atende pacientes de todo o Nordeste, realizou no ano passado 947 mil consultas, 55mil internamentos, 6,3 mil partos, 18 mil cirurgias e 468 transplantes. Neste ano, segue realizando obras de expansão dos serviços, como a ampliação do serviço de radioterapia – em parceria com o Ministério da Saúde – e a criação de um biobanco, de armazenamento de tecidos. O hospital, porém, sofre com a crise.

Em 2018, foram realizados no Imip cerca de 2 milhões de exames de análises clínicas. O número dá a dimensão dos serviços prestados pela instituição para o estado. Lá, trabalham mais de 6 mil funcionários e estudam 2 mil pessoas de três centros universitários, atuando para manutenção de três pilares – a assistência, a pesquisa e a extensão comunitária. “O Imip está sempre se renovando em termos de área física. Além da radioterapia, que está sendo construída em um terreno em frente ao hospital, no ano passado inauguramos um centro de parto normal”, comentou Silvia Ricim.

Segundo ela, contudo, não tem sido fácil enfrentar a crise. “Temos dificuldade para compra de material, medicamento, pois somos 100% SUS. A gente tem tentado diminuir os custos, tivemos que fazer demissões de um número maior do que o que gostaríamos, racionalizamos o uso de energia elétrica e estamos em busca de recursos de doações junto a empresas. Queremos sensibilizar empresários para ajudar a instituição”, afirmou a presidente do Imip. 

Pensamentos do Professor Fernando Figueira

"Conscientemente ou não, o homem somente se realiza plenamente, quando se esquece de sua individualidade, se eleva e se projeta como parte integrante do imenso corpo social ao qual pertence."

"Enquanto houver, em minha terra, uma criança ameaçada de perder o que ela tem de mais sagrado - a sua própria vida - haveis de encontrar em mim, um homem torturado."

"Uma criança doente é um desafio para devolver-lhe a saúde ou suprir as deficiências de uma vida gerada na fome e no desespero dos que perderam a consciência do amanhã, é preciso saber utilizar a ciência pelos caminhos mais lúcidos que só o amor pode inspirar."

"O exercício da medicina não deve se subordinar à crueza das leis econômicas. Deve ser regido pelas necessidades sociais de um povo em determinado momento histórico."


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.