Meio Ambiente Procuradores-gerais do Nordeste buscam soluções caso rejeitos de minério cheguem ao São Francisco Especialistas alertaram que a pluma com os rejeitos deve chegar à usina de Três Marias entre os dias 15 e 20 de fevereiro

Publicado em: 01/02/2019 10:03 Atualizado em: 01/02/2019 14:20

A usina hidrelétrica de Três Marias foi inaugurada em 1962 e tem 2,7 mil metros de comprimento. Foto: Divulgação.
A usina hidrelétrica de Três Marias foi inaugurada em 1962 e tem 2,7 mil metros de comprimento. Foto: Divulgação.
Soluções conjuntas caso a pluma de sedimentos e rejeitos liberada após o rompimento da barragem Córrego do Feijão, em Minas Gerais, chegue ao Rio São Francisco estão sendo pensadas por procuradores do Nordeste. O grupo tem acompanhado as ações tomadas pelas diversas instituições e entidades na região da tragédia e vai se reunir no próximo dia 15, na sede do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), para avaliar e tomar medidas em caso de contaminação.

Especialistas alertaram que a pluma com os rejeitos de minério de ferro da barragem da Vale deve chegar à usina hidrelétrica de Três Marias, no Rio São Francisco, entre os dias 15 e 20 de fevereiro. A previsão consta em um boletim de monitoramento do Rio Paraopeba divulgado nessa segunda-feira (28) pelo Serviço Geológico Brasileiro (CPRM), empresa estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia. O rio Paraopeba, que passa por Brumadinho e carrega a lama com os rejeitos, é um dos principais afluentes do São Francisco.

"As instituições e entidades envolvidas em sanar as consequências da tragédia já estão tomando diversas medidas para a contenção dos rejeitos na barragem de Retiro Baixo, na cidade de Pompéu. As turbinas foram desligadas e ela está sendo esvaziada até sua capacidade mínima de operação, de modo a evitar que o Rio São Francisco seja alcançado", afirmou o procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros.

As duas turbinas temporariamente desligadas em Retiro Baixo recebem, em média, 100 metros cúbicos de água por segundo, com capacidade para gerar 82 megawatts de energia por hora, segundo informações do Sistema Furnas. Além de Pompéu, a referida Usina faz divisa com as cidades de Felixlândia e Curvelo, na Região Central de Minas. Depois que a água do Paraopeba passa pelo local, vai direto para o Rio São Francisco.

Uma das principais preocupações dos procuradores-gerais de Justiça do Nordeste é o impacto da contaminação do Rio na vida de toda a população nordestina, uma vez que o São Francisco e seus afluentes são responsáveis pelo abastecimento de água para consumo e para a irrigação de culturas em toda a região. “Ao chegar ao São Francisco, o problema pode atingir o pescador, o pequeno produtor e, até mesmo, o grande latifundiário, uma vez que até as exportações da região podem ser afetadas. Tomaremos todas medidas possíveis para evitar danos ao Rio São Francisco", pontuou Barros.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.