Mobilidade Recife amplia rotas cicloviárias Três novas rotas começaram a ser implantadas na cidade e vão incrementar 12,7 km da malha cicloviária

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/01/2019 08:45 Atualizado em: 24/01/2019 09:57

A previsão de conclusão das obras é março. Foto: Ricardo Fernandes/DP.
A previsão de conclusão das obras é março. Foto: Ricardo Fernandes/DP.
Três novas rotas cicloviárias começaram a ser implantadas, ontem, no Recife. Batizadas de Professor José dos Anjos, Santos Dumont e Othon Paraíso, as vias incrementam em 12,7 km a malha cicloviária da capital pernambucana. A previsão de conclusão das obras, que compõem a Rede Cicloviária Complementar, implantada pela PCR em consonância com o Plano Diretor Cicloviário da Região Metropolitana do Recife (PDC/RMR), é março.

Elas farão conexão com as já existentes Marquês de Abrantes e com o Eixo Cicloviário Camilo Simões e beneficiarão nove bairros: Campo Grande, Beberibe, Arruda, Rosarinho, Mangabeira, Campina do Barreto, Água Fria, Encruzilhada, Santo Amaro, além de permitir a ligação com o município de Olinda. Com isso, Recife passa a contar com cerca de 70 km de rotas cicláveis, o que representa um aumento de 190% na extensão da malha, que era de 24 km em 2012.

A ciclofaixa Professor José dos Anjos será implantada na avenida de mesmo nome, no Bairro do Arruda, e terá 8 km de extensão. A rota terá um trecho unidirecional, as margens do Canal desde a Rua Euclides Gomes de Freitas até chegar na Rua Farias Neves, e continua pela Avenida Poeta Vinícius de Morais, em formato bidirecional até a Rua Manoel Brandão.

A Ciclofaixa Santos Dumont será bidirecional e terá início na Rua Amaro Coutinho, na conexão com a já existente Rota Marquês de Abrantes, e seguirá pela Avenida Santos Dumont, até chegar à nova Ciclofaixa Professor José dos Anjos. A rota terá 700 m de extensão.

A Ciclofaixa Othon Paraíso, com 4 km de extensão, terá início na pista local da Avenida Governador Agamenon Magalhães, a partir da Rua Odorico Mendes, na conexão do Eixo Cicloviário Camilo Simões. De lá, ela seguirá pelas ruas Professor Othon Paraíso, Marechal Deodoro, Castro Alves, Amaro Coutinho (com conexão com a Rota Marquês de Abrantes), seguindo pelas ruas Dona Elvira, Antônio Rangel e Paulo de Arruda formando um circuito de circulação para os ciclistas.

O equipamento será unidirecional nas ruas Professor Othon Paraíso, Castro Alves, Antônio Rangel e Dona Elvira. Já o trecho que percorre a pista local da Avenida Governador Agamenon Magalhães e a Rua Marechal Deodoro será bidirecional. Nas ruas Paulo de Arruda e Castro Alves haverá uma ciclorrota.

“As novas estruturas cicloviárias fazem parte dos estudos em desenvolvimento na PCR para, cada vez mais, dar espaço seguro aos ciclistas. A nova rede com 12,7 km de extensão, além de garantir permeabilidade por áreas residenciais, comerciais, instituições de ensino, áreas empresariais em todo o seu percurso, propõe a continuidade das rotas existentes Marquês de Abrantes e Camilo Simões, onde serão realizadas importantes conexões”, explica a presidente da CTTU, Taciana Ferreira.

Para regulamentar a implantação, a CTTU vai realizar a manutenção de toda sinalização vertical e horizontal das vias que compreendem as rotas. Além disso, a maior parte dos percursos passará a ter velocidade regulamentada de 40 km/h de velocidade por ser ciclofaixa, sendo 30 km/h onde for ciclorrota. A CTTU também irá disciplinar o estacionamento existentes com o objetivo de dar mais segurança viária aos modais.

Durante as semanas seguintes ao início da operação de cada novo equipamento, que se darão conforme o serviço de sinalização for concluído, serão destacadas equipes de agentes e orientadores de trânsito para realizar o trabalho de monitoramento e orientação nos locais. Aqueles que insistirem descumprirem a sinalização podem ser notificados. As multas podem ser grave, em caso de estacionamento irregularmente na ciclofaixa (R$ 195,23 e 5 pontos na CNH); ou gravíssima vezes três, se transitar na ciclofaixa (R$ 880,41 e 7 pontos na CNH).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.